quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Não estás deprimido, estás distraído...




Distraído em relação à vida que te preenche, 
distraído em relação à vida que te rodeia.

Não estás deprimido, estás distraído.

Por isso acreditas que perdeste algo, o que é impossível, porque tudo te foi dado. Não fizeste um só cabelo de tua cabeça, portanto não és dono de coisa alguma.

Além disso, a vida não te tira coisas: te liberta de coisas, alivia-te para que possas voar mais alto, para que alcances a plenitude.

Do útero ao túmulo, vivemos numa escola; por isso, o que chamas de problemas são apenas lições. Não perdeste coisa alguma: aquele que morre apenas está adiantado em relação a nós, porque todos vamos na mesma direção.

Não existe a morte, apenas a mudança.

És movido pela força natural da vida. A mesma que me ergueu quando caiu o avião que levava minha mulher e minha filha;a mesma que me manteve vivo quando os médicos me deram três ou quatro meses de vida.

Deus te tornou responsável por um ser humano, que és tu. 
Deves trazer felicidade e liberdade para ti mesmo.

E só então poderás compartilhar a vida verdadeira com todos os outros.

Lembra-te: "Amarás ao próximo como a ti mesmo."

Reconcilia-te contigo, coloca-te frente ao espelho e pensa que esta criatura que vês, é uma obra de Deus, e decide neste exato momento ser feliz, porque a felicidade é uma aquisição.

Aliás, a felicidade não é um direito, mas um dever; porque se não fores feliz, estarás levando amargura para todos os teus vizinhos.

Não estás deprimido, estás desocupado.

Ajuda a criança que precisa de ti, essa criança que será sócia do teu filho. Ajuda os velhos e os jovens te ajudarão quando for tua vez.

Aliás, o serviço prestado é uma forma segura de ser feliz, como é gostar da natureza e cuidar dela para aqueles que virão.

Dá sem medida, e receberás sem medida.

E não te deixes enganar por alguns maus, por alguns homicidas e suicidas.

O bem é maioria, mas não se percebe porque é silencioso.

Uma bomba faz mais barulho que uma carícia, porém, para cada bomba que destrói há milhões de carícias que alimentam a vida.

* * *

Enfrentamos momentos em que os pensamentos depressivos, 
desencorajadores parecem desejar tomar conta de tudo.

Os ombros caem... A voz baixa de tom... 
Os olhos já não se abrem tanto...

Tais momentos, porém, devem durar apenas o tempo 
da reflexão necessária, o tempo da conquista da sabedoria e, 
logo depois, devem ser seguidos por nova atitude.

Uma nova atitude de renovação, de mudança, 
que nos faz trilhar por novos caminhos, com novas forças.

De nada adianta se entregar à inércia emocional. 
De nada adianta a autopiedade.

Não são caminhos, são paredes que construímos à nossa frente, 
impedindo a nós mesmos de prosseguir.

Não nos permitamos distrair pelas mazelas da vida, 
esquecendo tão facilmente o bem que recebemos sempre.

Não nos deixemos desocupar, abrindo, através da hora vazia, portas e janelas para ondas de pensamento deletério que flutuam no ar.

A desocupação, a inutilidade são polos atraentes de influências perigosas, pelas quais pagaremos alto e amargo custo.

Afastemos a depressão de nosso coração. 
Abracemos a vida e o renascer diário com todo nosso amor.

Autoria: Redação do Momento Espírita

Nenhum comentário:

Postar um comentário