sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

O amor é simples...




O que faz do amor original e puro é que podemos senti-lo mais pela percepção do que pela manifestação da palavra. O amor se mostra como um sentimento repleto de esperança. Esse sentimento não forma só um elo de carinho com a pessoa amada, mas vai mais além, ele abraça todas as pessoas, na sua mais pura essência.

Ter a esperança de vivenciar o dia anterior e sonhar com o amanhã é desfrutar de um amor natural, simples e verdadeiro. Tudo isso vivendo o momento presente com toda a intensidade e todo o prazer dos encantos e das viagens que só o amor pode oferecer.

Saibamos que a morte, uma ameaça a todas as nossas realizações, no amor, não é um fim, mas a entrada para uma vida nova, recheada de esperança. O que podemos deduzir a respeito do amor é que ele se divide entre a aproximação natural e a saudade. Propriamente sentida, a saudade já é uma prova de amor, mas não a única. Cada um de nós tem uma idéia bem subjetiva a esse respeito. Por outro lado, mesmo parecendo ser tão complexo, o amor é simples, por isso, escapa de uma total compreensão.

Quando o sentimento do amor nasce, jamais para de crescer. Ele é sempre procurado, sentido e sonhado. A vida está em constante movimento, e o amor também sempre em formação. É como se um movesse o outro, numa evolução contínua e sempre inacabada. A alegria, o prazer, a tristeza, a dor e a saudade são sentimentos que dão sentido à nossa vida. Eles fazem com que ela não se torne estática, mas emocionante e cheia de emoções.

A incorporação física do amor é prazerosa e iluminada pelos sentimentos sem palavras, onde a pele fala com a pele, os olhos falam com os olhos e os corações batem num mesmo compasso.

Na verdade, o amor é a fusão de todos os sentimentos. É uma grandeza que está em constante transformação, buscando uma perfeição inalcançável. Esse sentimento aproxima as pessoas. Para ele não existe tempo ou qualquer preconceito, transcendendo a tudo e a todos.

Para termos uma vida plena e feliz temos que colocar tudo o que nos cerca a serviço do amor. Porém, é importante não deixar que o amor se confunda com uma paixão doentia e dolorosa, pois isso foge ao seu verdadeiro propósito de ser livre, incondicional e maravilhoso.

Na abordagem do amor, julgo poder avançar um pouco mais. Podemos expandi-lo para toda a humanidade, tão carente de carinho. Expandi-lo em forma de compaixão, caridade e gratidão.

A força da atração centraliza os corações apaixonados em uma perfeita sintonia. Esse movimento é muito válido, pois tudo vale a pena pela alegria e pelo prazer de viver. A grande mágica é podermos amar, nos apaixonar, sem ferirmos o amor altruísta. Uma coisa é amar a criação e o criador, a outra é amar a criatura.

É impossível e desumano não olharmos o próximo com carinho e amor. Este sempre se dirige a um semblante e a um coração. O ser humano só pode ser amável quando percebe que é amado. Se o ponto central do amor é a alegria de viver, então que cada um escolha a sua maneira de amar, desde que o faça com alegria e colabore para liberdade que todos tem por direito.

Se o universo tende a guiar cada um de nós, alguma coisa pode acontecer a qualquer momento, um novo encontro ou um reencontro, onde o amor comanda a engrenagem da máquina que move os nossos sentimentos.

O amor está acima de tudo. É preciso acreditarmos na sua existência. É preciso acreditarmos nesse sentimento transcendente, mas isso só se tornará possível quando percebermos a sua simplicidade.


Autoria: Bernardino Nilton Nascimento

Permita-se ao amor...




Uma vela acesa é como um grande amor, que tem o poder de iluminar uma escuridão a partir de uma pequena fagulha. O amor é capaz de contagiar o corpo e a alma, fazendo todos notarem a sua presença.

Não há amor sem a união, não há amor sem o mergulho para dentro de si. O amor é entrega, é doação. Quando não correspondido desmancha-se no ar, assim como a vela, que se apaga num pequeno sopro, mas pronta para ser acesa novamente.

O amor é o mais místico dos sentimentos. É um mistério que tem o poder de unir pessoas e confundir corações. Por mais que se tente fugir dele, somos sempre pegos de surpresa e, quando nos damos conta, estamos totalmente entregues. Trata-se da grande razão de viver e do caminho para a evolução do ser humano.

Quando o amor acontece, cria-se um mundo que vai da multiplicidade à unidade, num processo onde todos se tornam um. Todos nós temos a necessidade da mais alta realização da vida. O nosso viver está na descoberta de que temos um mundo interior e que dele brota o amor, a cura e também as tempestades.

Um sentimento absoluto, que nos possibilita revelações, que faz com que enxerguemos as nossas limitações e as nossas ilimitadas reações. Um sentimento, por vezes, sem princípios, simples e complexo, que quase sempre justifica atos insanos em nome do outro, em nome da humanidade, em nome da vida.

O amor assume uma natureza humana, familiar a todos, por que nada do que é humano nos pode ser indiferente. Um "eu te amo", quando sincero, torna-se a frase mais marcante da nossa vida. Na descoberta, ou redescoberta do amor, enxerga-se o prazer da vida. A nossa vida dá ao tempo a possibilidade de uma parada para que possamos refletir, e essa reflexão pode nos trazer uma certa insegurança. Porém, vivendo no amor, somos capazes de superar todos os nossos medos, pois estamos deixando de alimentá-los. Viver com amor significa aceitar a missão de combater o sofrimento.

Quem ama, descobre-se. Quando nos pensamos fortes, nos descobrimos fracos, e quando nos julgamos fracos, nos percebemos como leões. Com o amor, nossas colinas são aparadas, todas as pedreiras se transformam em vales e todos os vales, paraísos, e o pecado se torna contemplação.

A conexão íntima entre duas pessoas que se amam forma um grande mistério, que procura e vislumbra uma existência afetivamente mágica. Só o amor é o motivo da criação; só ele é o motivo da vocação da criatura para a adoção; só ele é motivo da misericórdia ilimitada que faz superar todas as barreiras impostas pelo dia a dia.

O mundo do amor faz triunfar a fidelidade, faz descobrir a infidelidade e faz com que tudo se apresente como se uma necessidade objetiva se encontrasse na base de todos os mistérios. Sua repugnância instintiva para com tudo o que é contingente parece fazê-lo esquecer de que a raiz de nossa existência e de nossa elevação é constituída por contingência radical, apresentando, porém, mais solidez do que toda a necessidade.

O amor permite a liberdade de cada coração, sem o medo do amanhã e sem o sofrimento do ontem. É no presente que ele faz maravilhas, milagres e alegra o coração.

Procure saber se está amando. Procure saber se está sofrendo com o passado, iludindo-se com o futuro ou gozando o presente.


Autoria: Bernardino Nilton Nascimento

Há um tempo para tudo...




Para tudo há um tempo em nossa vida... E a grande sabedoria é viver cada tempo com sua realidade, aceitando o que não pode ser mudado...  Há um tempo de se sonhar, de acreditar no sonho e lutar por ele... Há um tempo de se desencantar porque o sonho não se realizou apesar da fé, apesar da esperança.

No tempo de desencantar é impossível não sofrer... Porque o sofrer assim como os sonhos são partes iguais na soma dos fatos que fazem nossa vida... E no tempo de sofrer vale assumir a dor, senti-la bem fundo sem medo de morrer por ela. Vale assim a dor porque ao contrário seria fugir à realidade... E fugir à realidade não ajuda vencer o tempo que nos faz sofrer...

Dentro da realidade do sofrer, a gente mergulha bem fundo sem contudo perder o contato com a esperança de poder sonhar de novo... O tempo de sofrer não pode sufocar em nosso coração aquela velha certeza de que Deus, sabendo das mágoas, inventou o tempo..... O tempo que transforma e muda realidades, e faz da lágrima de hoje o riso de amanhã.

Por isto no tempo de sofrer, é preciso sabedoria de aceitar os fatos com a serenidade de quem já viveu outros tempos de dor, de mágoas e continuou vivendo com determinação e coragem. O tempo de sofrer é apenas um espaço onde se aprende a crescer, a vencer as próprias limitações e as próprias contingências.

Tempo de sofrer é apenas um espaço onde se conhece as próprias forças de criar novos sonhos, semear novas esperanças e cultivar a fé. Porque a vida é feita de muitos tempos que se sucedem em nossos dias...

Basta apenas serenidade de saber vivê-los  e esperar...
Serenamente sem desespero inútil.  Que a lágrima do hoje...
Seja o seu mais lindo sorriso amanhã.

Autoria: Mariangela Calil Conde

Solte a velha bagagem e renove-se para avançar...



Nossas limitações na compreensão acerca da realidade divina fazem com que criemos a ilusão de que somos detentores de poderes, conhecimentos, sabedoria e energias; lutamos ferrenhamente contra qualquer invasor ou raptor dessas nossas "posses", somos apegados a tudo o que acreditamos ser nosso. Porém, nada do que existe na dualidade é real.

Com estas crenças, quando conseguimos chegar a um ponto em que nos sentimos mais bem sucedidos e em posse de conquistas, inevitavelmente, nos sentimos inseguros por acreditarmos que seremos "invejados, cobiçados e roubados" em nossas posses. Contra isso, criamos um esquema de segurança e gastamos muita energia na tentativa de nos protegermos dos ataques daqueles que querem o que é nosso. Diante destas sensações e medos, ao invés de aproveitarmos aquilo que já conquistamos, para prosseguirmos, ficamos estagnados, em vigilância, para detectarmos os possíveis ataques e furtos que possamos sofrer.

Assim, sempre que conseguimos alcançar um determinado ponto mais elevado em nossa trajetória de vida, mesmo que tenhamos muita consciência de que essa sensação de roubo é ilusória, ainda assim, infelizmente, dentro dessa dinâmica energética, tudo nos parece muito real, tudo é muito intenso, sentimos muita dor e desespero quando sentimos que existem energias intrusas, invasivas e oportunistas em nosso encalço, temos a sensação de que há alguém à espreita, esperando que conquistemos algo para então nos "atacar dissimuladamente, sugar nossas energias e roubar as energias-consciência de nossos feitos e capacidades". Tudo se torna muito real porque quando somos "puxados" para dentro da trama energética da pessoa que "quer pegar o que é nosso", nos sentimos sugados e drenados, quase destruídos. Se olharmos para o "gatuno", após o "roubo", conseguiremos perceber em seus olhos a força que ele conquistou através do que nos tirou, percebemos sua satisfação e vaidade por ter conquistado poder às nossas custas e nos tirado esse poder.

Se isso nos ocorrer e se conseguirmos perceber que ocorreu, deveremos aceitar esse fato e precisamos olhar para essa questão de outra forma, para não nos perdermos dentro dessa trama. Se possuímos algo que é alvo de cobiça e inveja, significa que conseguimos alcançar um nível que a outra pessoa não conseguiu alcançar.

A partir da chegada a esse novo patamar, iremos prosseguir e criar novas condições do que idealizamos e criamos, dentro desses novos níveis de energia, desse novo patamar. Isto significa que essa velha energia-consciência é uma bagagem desnecessária e, inclusive, irá pesar e nos aprisionar nas velhas referências de conquistas, pois teremos que chegar praticamente livres de qualquer contaminação relacionada às crenças e condições anteriores, que nos impulsionavam nos níveis inferiores.

Criamos e carregamos a velha bagagem por muito tempo e isso fez com que acreditássemos que ela é imprescindível à nossa sobrevivência até o final de nossos dias. Mas a partir do momento em que conseguirmos nos superar e conseguimos evoluir  essa mesma bagagem já não faz mais sentido de existir. Porém, nos sentimos "seguros e protegidos" com ela, acreditamos que não poderemos entrar num novo caminho sem nenhuma bagagem e isso faz com que nos apeguemos a ela.

Claro que esse apego não é saudável, pois não conseguimos dar nenhum passo para adentrar o novo caminho, se estivermos carregados com o velho. Nesse caminho, a condição é de renovação, sem nada do que é anterior, com foco no novo. Enfim, se queremos entrar nesse novo caminho, num nível mais elevado de vibrações, temos que chegar de mãos vazias, somente podemos levar a energia de nosso coração puro, que está cheio de vontade de finalmente assumir o poder sobre nós e nos guiar amorosamente. Mas, infelizmente, neste ponto o ego se recusa a descarregar a bagagem velha, ele até está disposto a se entregar um pouco mais para o coração, mas não está disposto a abrir mão de sua pseudo-segurança. Ficamos num ponto em que estagnamos.

Se não conseguimos deixar nossa velha bagagem para trás e precisamos fazer isso, torna-se então muito favorável que um "gatuno" se aproveite desse nosso momento de conflito interno e roube o objeto de seu desejo: nossa bagagem! No momento em que ele nos rouba, nos sentimos feridos, machucados mesmo, um grande sentimento de injustiça nos invade e não conseguimos nos conformar com o que nos aconteceu, pensamos não ser justo alguém chegar e nos roubar a bagagem que por tanto tempo criamos e carregamos. Sentimos a dor de uma criança quando alguém lhe tira um objeto muito precioso.

Então, caso isso nos ocorra, deveremos permitir que esse "roubo" aconteça, com aceitação, e deveremos experimentar as sensações da criança traída e roubada, isto poderá nos remeter à velha dor tão conhecida de nossa criança ferida, há muito tempo. Acessando essa dor, iremos liberar a energia aprisionada dentro dessa questão e isso será libertador. Depois que lavarmos a alma sentindo a dor e/ou chorando, nos sentiremos renovados e fortalecidos.

Sem a velha bagagem, que não continha nada de importante para nosso novo momento, a leveza tomará conta de nosso ser. A energia pesada da bagagem estava nos mantendo presos e para o novo chegar, é preciso que o velho dê lugar a ele. A sensação de desproteção que acreditávamos que sentiríamos quando nos tirassem a bagagem, não acontece. Ao contrário, nos sentimos revigorados, as novas energias tomam conta de nós, um novo ânimo se instala, uma força renovadora acontece em nosso ser. Respiramos fundo, satisfeitos e leves, felizes com as novas possibilidades que se mostram à nossa frente. Estamos renovados para trilhar nossa nova etapa, dentro de níveis de frequência mais elevados.


Autoria: Teresa Cristina Pas
cotto

Insuperável brandura...



Quando você for defrontado por alguém violento, que o agrida verbalmente ou o ameace fisicamente, recorde-se de que ele é muito infeliz. Todo aquele que não recebeu amor na infância ou foi vítima de insucessos emocionais, sempre perde o endereço de si mesmo e se torna inimigo dos outros. Conceda-lhe a graciosa dádiva da bondade que não o torna mais desventurado. Não há quem resista a um indisfarçável gesto de benevolência.
 
Autoria:  Marco Priscco

Mudanças...



Em minhas palestras, por todo o país, encontro inúmeras pessoas que querem “ter” coisas, “ter” sucesso e “ter” a pessoa certa ao seu lado. Mas, encontro poucas pessoas que me perguntam como “ser”… e quase ninguém se lembra de que ainda está em processo de adaptação e que precisa mudar. Mudar é ser diferente.Na verdade, apenas uma pessoa em… milhares… preocupa-se em ser a pessoa certa.

A pessoa certa para aquele cargo, a pessoa certa naquele relacionamento, a pessoa certa para aquele sonho.Naturalmente, sempre somos a pessoa errada, quando nascemos. Mas temos o potencial para sermos a pessoa certa para tudo o que vem pela frente. Isso acontece porque, geneticamente, somos criaturas programadas para nascer antes de estarmos prontos, e ficamos prontos no correr dos anos.Por isso, não tema. Se você é a pessoa errada, bem vindo ao clube. Agora, para terminar seu processo de nascimento, não importa sua idade, você só precisa fazer as coisas que tornem você a pessoa certa. A pessoa certa para o cargo, para o projeto, para o sonho e para a outra pessoa.

A natureza, espertamente, nos joga no planeta sem terminar nosso processo adaptativo e temos que passar vários anos sentindo o ambiente no qual nascemos, e nos adaptando a ele. Isso se aplica à comida, à temperatura, às pessoas, à cultura, aos desafios e todo o resto. Em outras palavras, para terminar nosso nascimento, você e eu temos que mudar.Mudar de tamanho, já que nascemos todos pequenos, mudar de peso, mudar de aparência, mudar de habilidades, mudar de… preencha o espaço. Temos que mudar tudo. Mudar é ser diferente. Mudar é adaptar-se. Mudar é terminar nosso nascimento.

Quem não se adapta ao planeta, perece. Tem sido assim há mais de 260 mil anos, só para ficar na raça humana. Por isso, dependendo da região do planeta na qual você nasceu, “pensará” que gosta do alimento “a”, ou do alimento “b”. Na verdade, você gostará de qualquer alimento que tenha sido oferecido na infância e que evite sua morte. É por isso que você encontrará humanos em quase qualquer buraco da Terra. Nós nos adaptamos a quase tudo. Há uma ilusão, que foi criada por vários interesses diferentes, de que você pode obter coisas sem alinhar-se com elas, sem transformar-se, sem merecê-las. Sem mudar. Esqueça. Quanto mais rápido você livrar-se dessa ilusão, mas rápido poderá ter tudo o que desejar. Porque, ao ser, você passa a ter. É uma lei da natureza.

A seleção natural garante a sobrevivência do mais apto, e o mais apto é aquele que muda mais rapidamente, para compreender o que o cerca e tornar-se indispensável ao ambiente. O menos apto é aquele que acredita que o ambiente deve transformar-se para ele.O mais apto sobrevive. O menos apto… Isso é engraçado. Porque poucas pessoas parecem pensar nessa realidade. Há profissionais que querem ter este ou aquele cargo, mas jamais se prepararam para ele, e, portanto jamais são “a pessoa certa” para ocupá-lo.

Há homens e mulheres que querem ter aquela pessoa, mas se comportam como se aquela pessoa devesse mudar, para elas. Elas têm que mudar para as outras pessoas. Há um problema de percepção aqui. Ninguém tem aquilo que não está preparado para ter. Portanto, para ter mais, você deve tornar-se mais. Para ter uma vida melhor, você precisa ser uma pessoa melhor.

E, para dizer a verdade, quando você vive uma vida que não deseja, precisa mudar logo. Porque se você continuar fazendo as mesmas coisas que trouxeram sua vida até aqui, continuará tendo os mesmos resultados.Veja, se você estiver sentindo-se solitário, ou solitária, a primeira coisa que passará por sua mente é: como posso ter mais amigos? Este é o pensamento errado. Esteja você onde estiver, se você sair por ai procurando um amigo, dificilmente encontrará um. Mas se você andar pelos mesmíssimos lugares e tiver por objetivo ser amigo de todos os que encontrar, você terá centenas de amigos. Seja e você terá. Este é o pensamento certo. 

Autoria: Aldo Novak

O tempo do AMOR...



Uma fonte  que jorra em mim, é amor, e por ser amor, quer transformar o mundo, e se assusta com as pessoas  que sofrem, que correm sem saber para onde, que andam sem rumo, com medo de amar. E o meu amor solidário se espanta, com a fome que se espalha, com a as brigas que estão em toda parte, e meus olhos vêem, mas não quero ver, famílias destroçadas, pais separados, filhos que não encontram, irmãos que não se falam, Deus da boca pra fora...

E o meu amor fica reprimido, é como um grito que não sai, é como abraço que fica sozinho, no vácuo da solidão. Enterrei meu coração, que está de luto, que já não escuto, nessa manhã fria dos homens, que insistem em correr atrás dos ventos, das promessas ilusórias do que é material, enquanto a vida vai passando, deixando muita gente com a ilusão de que vive, mas apenas "passa", enquanto o tempo segue...

E o meu amor chora, porque não encontrou espaço no próximo, e se guarda, para sabe lá quando, o mundo se transformar pela dor, em um campo florido, regado pelo pranto que quem não acordou. Cultivado pela esperança de quem não desistiu.

(A.D.)

Ouça seu coração...



... Ouça com muita atenção, com muita consciência e você nunca errará. E, ouvindo o seu coração, você começará a seguir na direção certa, sem mesmo pensar no que é certo ou errado. E segui-lo, onde quer que ele o leve. Sim, algumas vezes ele o deixará frente a frente com alguns perigos mas, lembre-se, esses perigos são necessários para que você amadureça.

Outras vezes, ele o fará se extraviar mas, lembre-se mais uma vez, errar o caminho faz parte do crescimento. Muitas vezes você cairá torne a levantar-se, porque é assim que se reúnem forças, caindo e levantando-se novamente.

É assim que se fica integrado.... Mas não siga regras impostas pelo mundo exterior. Nunca imite, seja sempre original. Não vire uma cópia em papel carbono. Mas é isso o que está acontecendo no mundo todo cópias e cópias em papel carbono. Cristo é Cristo, Buda é Buda, Krishna é Krishna, e você é você.

E você não é, de maneira nenhuma, menos do que ninguém. Respeite-se, respeite sua voz interior e siga-a. E lembre-se, não estou garantindo a você que essa voz sempre o levará ao lugar certo. Muitas vezes ela o levará ao lugar errado, pois para encontrar a porta certa, é preciso bater primeiro em muitas portas erradas.

É assim que as coisas são. Se você topar de repente com a porta certa, não será capaz de reconhecer se ela é a certa. Portanto, lembre-se de que, no final das contas, nenhum esforço é jamais desperdiçado; todos os esforços contribuem para o apogeu do seu crescimento. Portanto, não hesite, não fique tão preocupado quando cometer um erro. Isso é um problema: ensinam às pessoas a nunca fazer nada errado, e então elas hesitam; ficam tão receosas, tão apavoradas com a possibilidade de fazer alguma coisa errada, que ficam empacadas.

Não conseguem sair do lugar, alguma coisa pode dar errado. Então ficam como pedras, perdem todos os movimentos. Cometa tantos erros quanto possível, lembre-se apenas de não cometer o mesmo erro duas vezes. Aí você estará crescendo.

Autoria: Osho