domingo, 10 de abril de 2011

És escravo de quem te ama...



És livre na luz do sol e livre ante a estrela da noite.
E és livre quando não há sol e nem lua ou estrelas.
Inclusive, és livre quando fechas os olhos a tudo o que existe.
Porém, és escravo de quem amas,
pelo fato mesmo de amá-lo.
E és escravo de quem te ama pelo fato mesmo de deixar-te amar.


Autoria: Khalil Gibran

Amor Menino...

 



( ... )

Tudo cura o tempo, tudo faz esquecer,
tudo gasta, tudo digere, tudo acaba...
São as feições como as vidas, que não há mais certo sinal
de haverem de durar pouco, que terem durado muito.
São como as linhas, que partem do centro para a circunferência,
que quanto mais continuadas, tanto menos unidas.
Por isso os antigos sabiamente pintaram o amor menino;
porque não há amor tão robusto que chegue a ser velho.
De todos os instrumentos
com que o armou a naturezao desarma o tempo.
Afrouxa-lhe o arco, com que já não atira;
embota-lhe as setas, com que já não fere;
abre-lhe os olhos com que vê o que não via;
e faz-lhe crescer as asas, com que voa e foge.
A razão natural de toda esta diferença
é porque o tempo tira novidade às coisas,
descobre-lhe os defeitos, enfastia-lhe o gosto,
e bastam que sejam usadas para não serem as mesmas.
Gasta-se o ferro com o uso, quanto mais o amor?!
O mesmo amar é causa de não amar
e o ter amado muito, de amar menos
( ... )

Autoria: António Vieira

Rebirthing...

 



Exercícios divulgados por Leonard Orr quando esteve no Brasil. Você pode escolher um deles e fazê-lo diversas vezes ao dia ou fazer todos em seqüência.

1. Inspire e expire pelo nariz. Faça 4 respirações curtas seguidas de 1 profunda. Repetir 4 vezes esse pequeno ciclo completando assim as 20 Respirações Conectadas. Fazer esse ritmo respiratório uma ou duas vezes ao dia nos leva, dentro de um ano, a plena consciência da respiração.

2. Faça 20 Respirações Conectadas (idem ao exercício anterior), mantendo a língua entre os dentes com os lábios fechados, respirando pelo nariz. Essa respiração ajuda a aliviar a raiva.

3. Faça 20 Respirações Conectadas, porém agora com a boca bem aberta, respirando sempre por ela. Essa respiração traz à tona sentimentos reprimidos.

4. Faça 20 Respirações Conectadas, com a boca bem aberta, porém respirando pelo nariz. Essa uma forma eficaz de eliminar energia estagnada do corpo e da mente.

5. Faça 20 Respirações Conectadas sem ruído, inspirando e expirando tão suavemente quanto possível, de forma que o ar não faça ruído algum ao entrar ou sair das fossas nasais. Essa respiração é ótima para meditar e perceber o fluir da energia no corpo.

6. Faça 20 Respirações Conectadas pelo nariz, mudando o ciclo para 9 respirações curtas e 1 profunda. Repita esse circuito duas vezes. Essa respiração ajuda a sair da letargia.

7. Respire de forma livre, mas sempre conectando a inspiração com a expiração (sem pausas entre elas). Essa é chamada de Respiração Intuitiva e você deve fazê-la da forma que se sentir mais natural. Deixe que o padrão da sua respiração seja guiado pela sua intuição e aproveite para observar todas as partes do seu corpo que estão envolvidas nesse processo.

Autoria: Leonardo Orr

Do interior para o exterior...

     
De dentro para fora. De nós para vós. Partilhar para lucrar. Amar para ter amor. Do interior para o exterior. É assim que funciona a mente positiva. Usando o exterior para o interior, é sermos dominados pelas nossas emoções, que foram manipuladas pelos nossos sentidos. Como vimos num número anterior só temos acesso a eles exteriormente. São os nossos sentidos que nos podem influenciar, mudar os nossos estados, tanto mental (interior) como fisiológico (exterior).

            Milhares de espanhóis, procuraram inutilmente o Eldorado, sujeitaram-se a todos os perigos e dizimaram as populações locais em busca de um sonho que nunca se concretizou. Os Cristãos, percorreram toda a Mesopotâmia, à procura do paraíso revelado pela Bíblia e não o encontraram. Também desesperadamente se procurou a fonte da eterna juventude, a pedra filosofal que curava todas as doenças e o elixir da longa vida. Tacteou-se pelos desertos, na esperança de se encontrar a cidade das “Mil e Umas Noites”!  A inteligência humana, olhando para o exterior, sempre idealizou utopias pelas quais se debateu. Sempre foi mais fácil para o espírito criativo inventar um mito para se exteriorizar, do que olhar para o seu interior. 
 
Antes de pensar naquilo que não tem, dê graças a Deus por aquilo que tem. Para atingir a abundância, deverá aceitar na sua mente o sentimento da riqueza. Crie na sua mente subconsciente a imagem da riqueza, da prosperidade, e da fartura. Para atrair a riqueza ela terá que estar no seu interior que depois se reflectirá no exterior, se a riqueza estiver na sua mente ela se exterioriza no mundo real. O Eldorado só poderá estar no seu mais profundo interior. Se procura a paz de espírito, entre no Paraíso da sua mente interior. A felicidade está dentro de si, nunca está além. Em vão procurará o Éden ou um sítio encantado no exterior, a não ser nos contos de fadas.

A fonte da eterna juventude está dentro de si, aí se encontra o elixir da longa vida, ser jovem é um estado de espírito, você poderá ser um jovem de 80 anos, que continua a usar a mente criadora ou um velho de 30 anos, em que envelheceu e estagnou todas as capacidades criativas. Se procura o Príncipe Encantado ou a Alma Gêmea, há que agir e converter-se nesse ser, porque o amor não está além para que se procure e encontre. O amor, ou seja a mítica “cara-metade” nunca a vai encontrar no exterior, porque ela está dentro de si. Para ter amor terá que irradiar amor. Deverá de se tornar a pessoa adequada, em vez de procurar em vão a pessoa certa. Pense nos atributos e valores, que poderá levar para uma relação, em vez de exigir desse mesmo relacionamento. Quer amor? Então dê amor. Goste de si próprio, se procura o amor da sua vida. Sempre do interior para o exterior.

Se quer que o respeitem, respeite primeiro os outros. Não gosta que o critiquem então não critique os outros. Não se esqueça das palavras do Mestre: “Com a medida que tiverdes medido, vos hão-de medir a vós”. Para que confiem em si dê primeiro provas de confiança. Não se esqueça, sempre do interior para o exterior, dê o exemplo (no estado presente) daquilo que pretende atingir. Nem sempre é possível alcançar, porque muitas vezes não se pede com precisão.
 
Autoria: Kiber Sitherc

Descansando a Alma...

 
 
 
 
Arranje um cantinho sossegado uma almofada gostosa. Acenda um incenso. Sente-se com as costas bem retas. Coloque as mãos sobre os joelhos, com as palmas para cima e balance o corpo lentamente da esquerda para a direita, de movimentos maiores a movimentos menores, como um pêndulo, até encontrar o centro de equilíbrio do corpo.

Pare. Inspire profundamente e solte o ar lenta e completamente pela boca. Relaxe os ombros. Inspire novamente e solte o ar pela boca. Então cerre os lábios, coloque a ponta da língua no céu da boca e respire pelas narinas. Mantenha os olhos entreabertos, apenas pousados a sua frente.

Ouça os sons. Sinta as fragrâncias. Perceba o ar, a temperatura em sua pele. Você está pensando? Ou não está pensando? Verifique sua postura. Costas eretas. Cabeça como se um fio puxasse para o céu. Pernas firmes pela força da gravidade. Não julgue. Nem certo nem errado, nem bonito nem feio. Seja. Apenas sentar. Que bom estar viva. Este instante aqui e agora é o céu e a terra. Isso é tudo.

Autoria: Monja Coen

Egocentrismo e altruísmo...

 
 
 
 
Muitos povos se consideravam o centro do Universo. Os judeus julgavam-se o povo eleito, os gregos, assim como os incas acreditavam serem os filhos do Sol. Até se consideravam geograficamente numa situação superior, os judeus achavam que Jerusalém se encontrava no meio da terra, os chineses também se consideravam o país do meio, o Japão, o país do Sol nascente, o Tibete o tecto do mundo, os gregos achavam que Delfos era o umbigo do mundo.

            Todos os povos se consideravam os mais importantes e os mais fortes. Não admira que os nossos antepassados se julgassem que estavam no centro do Universo, pois eram geocêntricos. Foi preciso aparecer Copérnico que defendeu a ideia já divulgada pelos antigos gregos que não era o Sol, nem os outros astros que rodavam à volta da Terra, mas todos esses astros incluindo a Terra circulavam à volta do Sol. A Cristandade estremeceu com as novas ideias de Copérnico, o nosso planeta iria perder o privilégio de ser o centro.
            De centro do universo, concluiu-se que a Terra era o nosso ponto de observação, pois que daí se podia observar e estudar todo o infinito do universo.

            Muitas pessoas ainda se consideram o centro do universo, como crianças mimadas que ainda não amadureceram, querem ser o centro de todas as atenções. Muitas pessoas ainda se consideram superiores a outros povos, devido à sua nacionalidade, à etnia, cultura ou religião.
            Todos têm importância, porque todos somos importantes, e todos precisamos de uns dos outros. Comparando com o corpo humano todos os órgãos exercem determinadas funções que são vitais, e que contribuem para a unidade e funcionamento da vida. Se o coração é essencial, como poderia ele exercer as suas funções sem a ajuda do cérebro, e sem os membros inferiores e superiores poderia haver evolução?!

Quem é o maior: o rei, o sacerdote, ou o chefe de família? Essa pergunta foi feita à milhares de anos na antiga e mística Índia. A resposta foi dada: cada qual é grande no seu reino. Conheci um rico e sábio filósofo, que desesperadamente procurou todo o dia por um canalizador a quem ele chamava idiota e ignorante. Apesar de todo o saber que esse homem possuía sentia-se impotente e procurava ajuda ao homem a quem ele chamava-o de iletrado e analfabeto. Todos têm a sua importância, na execução das suas funções, todos precisamos uns dos outros.

O egocêntrico, é uma forma de egoísmo, em que tudo gira em favor dos seus interesses. O exagero do egoísmo leva à egolatria, pois o ególatra amplifica o seu próprio eu, tudo submete em favor dele próprio, por vezes em prejuízo dos outros. O filósofo Schopenhauer chegou a exagerar a pretensão do egoísta “de matar um homem para aproveitar a gordura do morto e com ela untar as suas botas.”   Ao contrário, o altruísta por vezes se esquece de si próprio e partilha o seu amor com o próximo e com a humanidade. As diferenças entre indivíduos são tão grandes como as que existem entre as diferentes culturas. Todos somos peças fundamentais, no nosso ecossistema, incluindo os animais. 

O prazer de se sentir diferente, está na compreensão da variedade de culturas, de hábitos, de filosofias de vida e de religiões. Todos somos iguais, todos habitamos o mesmo planeta e todos somos apenas um ponto de observação, para a compreensão do próximo e para a nossa evolução espiritual, intelectual e altruísta, só assim poderemos chegar à mente tranquila. 
 
Autoria: Kiber Sitherc

O exercício da palavra...



 


A Palavra é uma espada de dois gumes, ela pode criar ou destruir. Abrir novos caminhos, magnetizar energia de proteção, sabedoria, amor, purificação, cura, paz e liberdade. No entanto, com palavras de ódio, maldade, crítica, condenação, julgamento, intolerância, impaciência, irritação, podemos criar nosso próprio inferno. O mundo esta passando por inumeras mudanças, é hora também de mudar a forma de orar.

1- a importância do som;
2- o poder do ritmo;
3- o poder da Palavra, em uníssono é potencializado.

Vivemos a época do Apocalipse e estamos lidando com karma negativo pesado. Ciclo negro chamado KaliYuga. A oração tem que ser poderosa para atravessar essa barreira de energia pesada, precisamos usar o poder da Palavra com toda técnica. Para compor um poderoso comando de luz, que é uma nova forma de oração.

1 - Invocar a Deus e aos seres de Luz;
2 - Fazer pedidos sempre o mais específico possível;
3 - Pedir a solução diária do problema, até a solução acontecer ou sentir em seu coração que está na hora de parar;
4 - Direcionar a energia, dizendo onde deseja que ela atue, fazer o mudra (Coloque a mão esquerda no coração e a direita direcionada para o objeto da oração);
5 - Exercitar os comandos com devoção e confiança, amor e alegria;
6 - Sentir o que fala, e falar com sentimentos de amor;
7 - Visualizar a Luz agindo onde voce direcionou 
e confiar no poder da ação desta Luz;
8 - Imaginar seu pedido sendo atendido;
9 - Visualizar o pedido completado;
10 - Pronunciar as palavras com dinamismo, entoar com ritmo;
11- Selar seu trabalho, agradecendo aos seres de luz e pedindo para que terminem e selem as energia para não ser alterada.

Um comando de Luz efetivo requer o engajamento total, e para que seja realmente poderoso é preciso submeter os pedidos à vontade divina. Vale lembrar que um comando de luz feito em grupo, é muito mais poderoso devido ao poder da multiplicação (lei da cinergia).

(A.D.)

Professor! - O Mal Existe?





Durante uma conferência em Berlin, um professor ateu 
desafiou seus alunos com esta pergunta:
- Deus fez tudo o que existe?
Um estudante respondeu: - "Sim, Ele criou!"
- Deus criou tudo, mesmo?
- Sim, professor - respondeu o jovem.
O professor replicou:
- Se Deus fez todas as coisas, então Deus fez o mal, pois o mal existe, e considerando-se que nossas ações são um reflexo de nós mesmos, então Deus é mal.
O estudante calou-se diante de tal resposta e o professor, se vangloriava de haver provado uma vez mais que a Fé era um mito.
Outro estudante levantou a mão e disse:
- Posso lhe fazer uma pergunta, professor?
- Sem dúvida - respondeu o professor.
- Professor, o frio existe?
- Mas que pergunta é essa? Claro que existe, você nunca sentiu frio?
O rapaz respondeu:
- Na verdade, professor, o frio não existe. Segundo as leis da Física, o que consideramos frio, é ausência de calor. Todo corpo pode ser estudado quando tem ou transmite energia, mas é o calor e não o frio que faz com que tal corpo tenha ou transmita energia. O zero absoluto é a ausência total e absoluta de calor, todos os corpos ficam inertes, incapazes de reagir, mas o frio não existe. Criamos esse termo para descrever como nos sentimos quando nos falta o calor.
- E a escuridão professor, existe? - continuou o estudante.
O professor respondeu:
- Mas é claro que sim.
O estudante respondeu:
- Novamente o senhor se engana, a escuridão não exite. Podemos estudar a luz, mas a escuridão não. O prisma de Newton decompõe a luz branca nas várias cores. A escuridão não. Como se faz para determinar quão escuro está um determinado local? Apenas com base na quantidade de luz presente nele, não é mesmo? Escuridão é um termo que o homem criou para descrever o que acontece quando não há luz. Finalmente, o jovem perguntou:
- Diga, professor, o mal existe?
Ele respondeu: - Claro que existe. Como eu disse no início da aula, roubos, crimes e violência em todas as partes do mundo, essas coisas são o mal.
Então o estudante respondeu:
- O mal não existe professor. O mal é a ausência do Bem, a ausência de Deus. É, como nos casos anteriores. Deus não criou o mal. Não é como a Fé, que existe como existe a Luz e o Calor. O mal resulta de que a humanidade não tenha Deus no coração. É como o frio que surge quando não há calor, ou a escuridão que acontece quando não há luz. Este jovem foi aplaudido de pé, e o professor apenas balançou a cabeça permanecendo calado.
Imediatamente o diretor dirigiu-se àquele jovem e perguntou qual era seu nome?
E ele respondeu:
ALBERT EINSTEIN

Autoria: Albert Einstein

Livrando-se da ingratidão...





Uma jovem, achou na rua uma carteira ao abri-la, verificou os documentos, e descobriu a morada do possuidor do achado, como era honesta resolveu lá ir entregá-la. As pessoas da casa agradeceram, e ela ficou satisfeita por ter feito uma boa acção, mas quando fecharam a porta ela ouviu os comentários: “Se houvesse mais dinheiro ela não nos entregaria a carteira!”
            A rapariga quando me encontrou soluçava, contou-me o que lhe tinha acontecido e nas suas lamentações confessou: que precisava tanto de dinheiro, que por ser honesta resolveu entregar a carteira ao dono, e que ainda por cima ouviu semelhante crítica. Ela repetia: “Como há pessoas ingratas, como é possível haver tanta maldade?!... “

            Lembro-me de uma cliente que me consultava todos os anos, que me repetia a mesma lengalenga da ingratidão da sua irmã, que tanto a prejudicou e à mãe, ambas já tinham morrido à muito tempo, mas ela continuava com a mesma ladainha, como se tudo aquilo tivesse acontecido naquele momento, como ambas ainda fossem vivas.  Muitas pessoas, vivem ressentidas pela ingratidão, lamentam-se de tudo aquilo que receberam em troca: o que fizeram pelos amigos; o que fizeram pelos irmãos; o que fizeram pelos pais... pelos filhos e que só receberam mau pago, injustiças e calúnias.

            Lembrai-vos que o Mestre curou num dia, dez leprosos, e sabe quantos lhe agradeceram? Apenas um, que se prostrou a seus pés em agradecimento. “Não foram dez os limpos? E onde estão os nove?” Perguntou o Mestre aos discípulos. Ora, se até o próprio Cristo conheceu a ingratidão, por que deveremos esperar sempre pela gratificação? Devemos aceitar tal como ela é a natureza do ser humano, e não como desejaríamos que fosse. Se nada esperarmos dos outros e formos contemplados por gratidão, será uma deliciosa surpresa.

            Os sentimentos ensinam-se e aprendem-se desde a infância. Se os pais são ingratos os filhos poderão aprender com eles, se eles exigem demasiado dos outros os filhos poderão esperar o mesmo. Quando os pais não dão o devido valor, às pequenas dádivas e fazem os seus comentários pejorativos: “Ela não esteve para gastar muito dinheiro, comprou isto na loja dos chineses”. Os filhos imitam-nos e tornam-se exigentes e egoístas.

            Algumas dicas para se tornar imune à ingratidão:

            1) Quando dar nunca espere por gratificação, 
dessa maneira nunca ficará decepcionado.
2) Há vantagem de darmos a quem não nos possa retribuir, 
dessa maneira não poderemos esperar por recompensas materiais.  
3) Se ficarmos gratos só pela amizade, não necessitaremos de retribuições.

            Exercício para eliminar a angústia da ingratidão:

            Visualize uma cena em que houve a ingratidão, ou a pessoa que lhe foi ingrata. Dê relevo e brilho a essa imagem, agora escureça a imagem, reduza-a a uma pequenez insignificante, até que desapareça.
Como disse Paulo de Tarso: “Nada trouxemos para este mundo e nada podemos levar dele”. Por isso, o mundo não nos deve nada!
            Paulo de Tarso também disse: “Não seja blasfemado o vosso bem”. Devemos ser gratos pelo pouco que nos resta; mesmo pelas coisas mais simples que nos aconteçam. Agradeça por tudo aquilo que lhe acontece de bom; a única maneira de encontrar a felicidade é não esperar gratidão, mas dar pela satisfação de dar.
 
Autoria: Kiber Sitherc

Pensamentos positivos...




 
"Sou perfeito, alegre e forte.
Tenho amor e muita sorte.
Sou feliz e inteligente.
Vivo positivamente.
Tenho paz... Sou um sucesso.
Tenho tudo o que eu peço.
Acredito firmamente.
No poder da minha mente.
Pois Deus esta no subconsciente".

"Eu não sou meu corpo.
Eu não sou meus pensamentos.
Eu não sou meus sentimentos.
EU SOU o Espírito Infinito.
EU SOU uma individualização de Deus.
EU SOU saúde.
EU SOU luz.
EU SOU paz.
EU SOU amor.
EU SOU harmonia.
EU SOU equilíbrio.
EU SOU prosperidade.
EU SOU vida.
EU SOU tudo.
E tudo que Deus é EU SOU.
E tudo que Deus tem é meu.
A luz do Cristo dissolve em mim todo temor, dúvidas, ódio e ressentimento.
O amor Divino circula em mim formando uma irresistível corrente magnética.
Só vejo a perfeição e atraio o que é meu por Lei Divina.
As aparências contrárias agem para meu proveito, pois Deus se serve de todas as pessoas e situações para realizar os desejos justos do meu coração.
Sou rodeada pela luz branca do Cristo através da qual nada negativo pode penetrar.
Sou rodeada pela luz branca do Cristo através da qual nada negativo pode penetrar.
Sou rodeada pela luz branca do Cristo através da qual nada negativo pode penetrar".

"Nada me abaterá. Todos os caminhos me conduzirão à vitoria. Vencerei no trabalho; vencerei nos estudos; vencerei nos negócios; vencerei no amor; vencerei na saúde; vencerei todas as montanhas e obstáculos que surgirem diante de mim. Eu sou um vencedor".

(A.D.)

Olhar feminino...



    
Pelo Olhar é que vemos o amor, o carinho, a paixão. É pelo Olhar que vemos a amizade, o desprendimendo e a doação. Olhar é mais que a janela da alma. É a alma materializada, alma de brilho, que ilumina e encanta. E que se faz muitas vezes gotas salgadas num doce mar de sentimentos. Olhar com cor de ternura, com jeito de criança. Olhar, linguagem da emoção. Olhar que não poderia ser de outra pessoa a não ser o seu, olhar feminino...

(A.D.)

As fadas...


 

As fadas são seres de luz. São elas que se transformam nas cintilações quando a luz do sol bate na água. São a emoção de existir quando uma flor desabrocha, quando um bebê de qualquer tipo nasce ou quando um novo jogo é inventado e jogado. As fadas são o meio pelo qual a alegria é transmitida dentro de um sistema ou de um ser físico. Sua alegria clara e cintilante é intensa e espontânea. As próprias fadas são pontos de beleza. Ao reconhecer a beleza de uma coisa, lugar ou acontecimento, vocês reconhecem a participação das fadas. Elas adoram coisas alegres - festas de aniversário, sinfonias no parque, jogos, brincadeiras e risos. O brotar, desabrochar, abrir, a maturidade e as sementes de uma flor para elas podem ser tão ricos como toda uma vida humana. Elas acrescentam alegria ao sadio e restauram o cansado. Fala-se com fadas, assim como com duendes, por meio de gestos. Quando vocês molham seu jardim, suas fadas locais ouvem seu cuidado. Quando vocês inspiram a felicidade de estarem vivos ao sol, no vento, entre os aromas da primavera ou verão ou inverno ou outono, elas rodopiam alegremente à sua volta, como minúsculos insetos rodopiam e dançam no ar no fim das tardes. Elas adoram os sons de coisas vivas, desde rãs até pássaros, passando pelo zumbido dos insetos. Quando vocês apreciam o que está vivo, comunicam essa alegria diretamente a elas, que respondem com pequenos afagos cheios de deleite. Adoram crianças de todos os tipos. Lembram-se de que quando eram crianças, às vezes riam sem nenhuma "boa" (adulta) razão? As fadas estavam em sua aura, revigorando e avivando, fazendo reluzir sua beleza e rindo seus risos miúdos e poderosos de puro deleite. 

(A.D.)

Um grande jardim: a vida...




Que a vida seja sempre como um grande jardim, repleta de cor, luz, som e alegria! Que os espinhos sejam apenas mais um motivo de superação! Que seja bem vinda a chuva que lava e amacia a terra, germinando a semente do amor. Que seja bem vindo o vento, que ora afaga e acaricia, ora varre e transforma o cenário que se transforma e renasce! Que seja bem vindo o Sol, fonte de luz e calor, força motriz da Vida! Que cada amanhecer nos traga a esperança e surpresas que renovam o coração, qual rosa que insiste em crescer e perfumar, mesmo entre heras... E que este jardim seja habitado por fadas, duendes, gnomos e criaturas dos bem, cada uma direcionada a distribuir sorrisos e alegria por todos os cantos e recantos da vida!

(A.D.)

Palavras não são apenas palavras...

 
 
 
 
 
Palavras não são apenas palavras.
Elas têm disposição de ânimo, climas próprios.

Quando uma palavra se aloja dentro de você, ela traz um clima diferente à sua mente, uma abordagem diferente, uma visão diferente. Chame a mesma coisa de um nome diferente e perceberá: algo fica imediatamente diferente.

Existem as palavras dos sentimentos e as palavras intelectuais. Abandone cada vez mais as palavras intelectuais, use cada vez mais palavras dos sentimentos. Existem palavras políticas e palavras religiosas. Abandone as palavras políticas. Existem palavras que imediatamente criam conflito. No momento em que você as pronuncia, surgem discussões. Assim, nunca use uma linguagem lógica e argumentativa. Use a linguagem do afeto, do carinho, do amor, para que não surja discussão alguma.

Se você começar a ficar consciente disso, perceberá uma imensa mudança surgindo. Se você estiver um pouco alerta na vida, muitas infelicidades poderão ser evitadas. Uma única palavra pronunciada na inconsciência pode criar uma longa corrente de aflição. Uma leve diferença, apenas uma virada muito pequena, e isso cria muita mudança. Você deveria ser muito cuidadoso e usar as palavras quando absolutamente necessário. Evite palavras contaminadas. Use palavras arejadas, não controversas, que não são argumentos, mas apenas expressões de suas impressões. Se você puder se tornar um especialista em palavras, toda a sua vida será totalmente diferente.

Se uma palavra trouxer infelicidade, raiva, conflito, dor ou discussão, abandone-a. Qual é o sentido de carregá-la? Substitua-a por algo melhor. O melhor as vezes é o silêncio, depois é o canto, a poesia, o amor.

Autoria: Osho

Síntese das antíteses...


 



Só temos consciência do belo,
Quando conhecemos o feio...
Só temos consciência do bom,
Quando conhecemos o mau...
Porquanto, o Ser e o Existir,
Se engendram mutuamente...
O fácil e o difícil se complementam...
O grande e o pequeno são complementares...
O alto e o baixo formam um todo...
O som e o silêncio formam a harmonia...
O passado e o futuro geram o tempo...
Eis porque o sábio age...
Pelo não agir,
E ensina sem falar,
Aceita tudo que lhe acontece...
Produz tudo e não fica com nada...
O sábio tudo realiza e nada considera seu...
Tudo faz – e não se apega à sua obra...
Não se prende aos frutos da sua atividade...
Termina a sua obra...
E está sempre no princípio...
E por isto a sua obra prospera...


Autoria: Lao Tsé

O que eu quero ou o que eu preciso...


 


“Quem não conhece a expressão de que não devemos ir ao supermercado fazer compras quando estamos com fome, pois assim compraremos muito mais de que realmente necessitamos?

Com o amor acontece algo similar. Quando nos sentimos carentes é comum embarcarmos em relacionamentos confusos, pois buscaremos no outro o amor que não conseguimos armazenar em nós mesmos.

Algumas mulheres ao se sentirem carentes, doam intensamente seu amor ao companheiro, oferecendo toda espécie de carinho, afeto, agrado, abrindo mão de sua própria vida em função do outro. O companheiro vem em primeiro lugar. Muitas vezes, acabam abrindo mão de seus amigos, trabalho, família, filhos, simplesmente para satisfazê-lo. Mulheres carentes fazem de tudo em prol do companheiro, vendem sua própria alma, ou melhor, seu coração, se for preciso. Se esquecem que são tão merecedoras de amor quanto eles.

Como os homens se comportam frente as mulheres carentes? No início, alguns podem até gostar, já que recebem tudo de suas amadas: carinho, amor e dedicação total. Com o tempo, acabam se cansando desta situação, perdem interesse por suas companheiras, desqualificando-as e desmerecendo-as.

Essas mulheres possuem uma lógica distorcida do amor, pensam que quanto mais se doarem ao seu amado, mais ele as amará. Quando a mulher se esquece de si, ela abre portas para ser rejeitada, para ser menosprezada e para não ser valorizada pelo companheiro.

As mulheres carentes, muitas vezes, não conseguem se satisfazer com o que recebem. Sugam a energia dos que estão a sua volta exigindo atenção constante, querendo agradar, querendo ser uma boa dona de casa, esposa e amante. Por medo de serem abandonadas, fazem de tudo para ter seu companheiro por perto, como afirma o ditado: ruim com ele, pior sem ele. A baixa auto-estima sempre vem acompanhada nesses casos, pois não gostando de si, atraem pessoas que também não a valorizam.

Quando a mulher é independente, inteira e autônoma ela é mais seletiva em suas escolhas afetivas, tem a capacidade de optar por relacionamentos que irão lhe oferecer trocas mais maduras e criativas. Escolhem companheiros mais maduros psicologicamente, dispostos a dar e receber e a manter um relacionamento onde os dois ganhem.

Voltando ao exemplo do início: quando se está com muita fome até o pão de ontem se aceita. Com carência é igual, pois qualquer coisa é melhor do que nada.

Como não cair nessas armadilhas então? Primeiramente, a mulher deve priorizar sua vida, saber dar a devida importância a seus valores, idéias e crenças pessoais. Deve estimular o contato com suas amizades, estar aberta a novas amizades ou experiências de vida, dedicar-se a um trabalho produtivo que goste e no qual sinta-se realizada, ter vários prazeres em sua vida e principalmente não limitar o seu existir, o seu propósito de viver em função de uma relação.”

Pense nisso!

Que você encontre o que precisa para ser feliz!

Autoria: Maury Braga

Desejos...

 


Desejo é realização antecipada.
Querendo, mentalizamos; mentalizando,
agimos; agindo, atraímos; atraindo, realizamos.
Como você pensa, você crê, e como você crê, será.
Cada um tem hoje o que desejou ontem
e terá amanhã o que deseja hoje.
Campo de desejo, no terreno do espírito, é semelhante
ao campo de cultura na gleba do mundo, na qual cada
lavrador é livre na sementeira e responsável na colheita.
O tempo que o malfeitor gastou para agir em oposição à Lei,
 é igual ao tempo que o santo despendeu para trabalhar
sublimando a vida. Todo desejo, na essência, é uma entidade
tomando a forma correspondente.
A vida é sempre o resultado de nossa própria escolha.
O pensamento é livre e, depois de agir sobre o objetivo
a que se endereça, reage sobre a criatura que o emitiu,
tanto em relação ao bem quanto ao mal.
A sentença de Jesus: “Procura e achará”,
equivale a dizer: “Encontrarás o que desejas”.

Autoria:   André Luiz

Sábio coração...

 


“Indagar-se se você está no caminho certo parece fácil. A parte difícil é ouvir a resposta do coração. Sua mente terá uma resposta, mas seu coração talvez tenha outra. O medo pode incitá-lo a manter o rumo atual, enquanto o amor pode instigá-lo a mudar de rumo. Você precisa acalmar a mente para ouvir qual é o chamado mais alto e abrir o coração para descobrir onde mora o amor. Se decidir seguir suas paixões e desejos, precisa ser forte o suficiente para ouvir as respostas da sua alma.

Se você se mantiver na superfície, o cenário parecerá sempre o mesmo. Aventure-se em águas mais profundas e um mundo mágico estará à sua espera. Mas temos medo de afundar, de errar, de falhar. Seus desejos são suficientemente importantes para fazer você enfrentar seus medos? Você os quer realizar de verdade? A escolha é sua: você pode mudar sua atitude de resignação para um de comprometimento; passar de uma condição de medo para um estado amoroso.

O primeiro passo é questionar a si mesmo, para transformar radicalmente suas certezas em perguntas. Troque: “Sou um fracassado” por “Eu poderia ser um sucesso?”. Transforme: “Minha vida não faz diferença” em “Eu faria alguma diferença para o mundo?”. A necessidade de sermos corretos, de nos sentirmos seguros nos impede de assumirmos um compromisso com a vida. Ficamos inseguros ao questionar nossos motivos. O que você prefere: estar certo a respeito de ser um fraco ou estar errado quanto à sua capacidade de ser grande?

Feche os olhos e focalize mentalmente um lugar dentro de você, bem no fundo, onde se sinta a salvo e à vontade. Pergunte a você mesmo o que gostaria de estar fazendo nesse exato momento de sua vida. Por que não está se dedicando à busca desse sonho? Do que você tem medo? Mantendo as respostas na quietude do seu coração, comprometa-se a mudar sua vida, de forma a poder manifestar seus sonhos. Comprometa-se a sempre prestar atenção à sua própria verdade e a dar ouvidos a ela”.

Autoria: Debbie Ford

Viver do passado...


 


Viver do passado é cultivar espinhos,
é sofrer dobrado, é não enterrar os mortos,
viver em luto permanente, morrendo também
um pouco a cada dia, é andar por caminhos tortos.

Viver de recordações, sejam alegres ou tristes,
é olhar para o jardim e ver as flores murchas,
clamando por água e cuidados, e nada fazer,
é um descuidar-se da vida, um suicídio lento,
que leva ao desamor e a auto-piedade,
forma horrível de se menosprezar,
um jeito de não se amar...

Viver de sonhos desfeitos e arrumar culpados,
é uma forma de escapar das nossas responsabilidades,
se esconder nas fraquezas, se perder no medo,
medo de vencer, medo de conquistar e perceber,
que em cada um de nós, existem forças maiores,
luzes que nos transformam de vencidos em vencedores.

A vida é um risco constante, nada é certo ou calculado,
quando assumimos o risco de viver, de lutar, de amar de novo,
estamos sujeitos ao fracasso, ao erro,
e sempre que algo dá errado, é a vida mostrando;
que não planejamos, que acreditamos demais,
que fechamos os olhos para a verdade,
que esquecemos de valorizar alguma coisa,
e quase sempre, o que esquecemos,
o que deixamos de levar em conta,
é o mais importante,
nós mesmos.

"Valorize-se e viva com intensidade".

Autoria: Paulo Roberto Gaefke  

A importância de não fazer...

 
 
 
 
O discípulo perguntou ao mestre: “mestre, é verdade que temos de ser sempre positivos, temos sempre de fazer, temos sempre de agir para alcançarmos o sucesso”? Ao que o mestre respondeu: “primeiro, meu filho, nós não devemos correr atrás do sucesso para alcançá-lo, mas buscarmos ser alcançados por ele. Segundo, nem sempre temos de ser positivos, agir e fazer, pois muitas vezes o sucesso nos alcança justamente pelas coisas que não fazemos”. O discípulo olhou confuso para o mestre, na busca de um entendimento. Então o mestre continuou: “muitas vezes o sucesso nos chega justamente pelas coisas que NÃO FAZEMOS OU NÃO DIZEMOS. Aqui vão algumas idéias do que você NÃO deve fazer”. Primeiro. Não diga não posso, pois a maioria das coisas que dizemos não poder fazer, são perfeitamente possíveis, simplesmente se colocarmos nossa mente para trabalhar a nosso favor. O ensinamento diz assim: se alguém já fez, então eu também posso. Se ninguém fez, eu posso certamente ser o primeiro. Assim, sempre que enfrentar um desafio, lembre-se de quantos já enfrentaram a mesma situação. E se ninguém enfrentou, você terá o privilégio de ser o primeiro a passar por cima desse obstáculo. Segundo: Não desista. Se você tem a intenção de realizar alguma coisa na vida, prepare-se para persistir. O Universo é feito de dualidade. Bem e mal, claro e escuro, bonito e feio, bom e ruim, sucesso e fracasso e assim por diante. Da mesma forma como temos o sucesso e o fracasso, podemos encará-los como sucesso, como fracasso, ou como aprendizado. Aqueles a quem o sucesso alcança, são os que encaram o fracasso como aprendizado e o transformam em sucesso. Assim, quando o vento parar de soprar as velas, e você sentir que deve abandonar o barco, lembre-se que há as horas de calmaria, as horas de vendaval e as horas em que o vento sopra delicadamente a nosso favor. Não se desencorage. Há momentos na vida em que nossa energia parece ir embora e o medo toma conta de nossa mente. Mas como coragem é verdadeiramente nossa capacidade de enfrentar o medo, lembre-se que o sucesso só alcança aqueles que não permitem ser afetados pelo desencorajamento. Terceiro: Não aceite menos do que a excelência. Excelência é fazer bem feito, mesmo que para isso tenhamos de repetir muitas vezes. Apenas pergunte:é excelente? O que precisa para ser excelente? Como posso chegar lá? Por último, mas nem por isso menos importante, não ande sozinho. Um dos mais antigos e mais lidos livros do mundo já dizia: “melhor é serem dois do que um, pois se um cair, o outro levanta o companheiro. Mas ai daquele que estiver só, pois se cair não haverá quem o levante”. Quanto antes entendermos que o sucesso só nos alcança através de outras pessoas, tanto antes ele nos alcançará”.

Autoria: Wilson Meiler

A solução mágica é amar…

“Acredito que não somos somente humanos, nem mesmo seres humanos que, eventualmente, desfrutam de experiências espirituais,  mas seres espirituais que têm experiências humanas. Possuímos diversas dimensões que podemos vivenciar e das quais podemos usufruir. Temos em nosso espírito possibilidades acima do tempo e das limitações físicas. E há muitas formas de entrarmos em contato com o Eu Superior que abrigamos. Trata-se de um caminho no qual quanto mais avançamos, mais nos tornamos capazes de alcançar graus cada vez mais altos de espiritualidade. . . Quanto mais profundamente nossa prática de meditação nos leva, mais nos distanciamos do plano das aparências e das tentações, da importância que damos às frustrações, aos rancores e ressentimentos, e mais e mais nos envolvemos com esse Eu Superior, com sua capacidade de amar. Por conseqüência, ao compreender que essa visão da vida e do mundo, esse amor, está dentro de nós, ao descobrir que possuímos esse dom tão precioso, repleto de beleza, nos sentimos seres dignos de ser amados e de alcançar a felicidade. Somos ,sim, seres luminosos e iluminados.

A espiritualidade que cura e traz o equilíbrio é essa capacidade de amar e de nos sentirmos amados. A verdadeira cura e o verdadeiro equilíbrio dependem de nos reencontrarmos com nossa essência espiritual. Sem o rancor trazido de muitas e muitas brigas ao longo dos anos, poluindo a capacidade de amar entre dois seres, muitos atritos aparentemente irreversíveis podem ser resolvidos com uma declaração de amor, com um abraço espontâneo, sincero, dado do fundo do coração (ou da alma).

A espiritualidade maior está na maneira como buscamos: voltados para nosso íntimo, compreendemos que somos responsáveis por nosso aprendizado. Os únicos responsáveis. Não há outra maneira de aprender a não ser nos conhecendo, transformando nossos medos e limitações em força e alegria. Essa é a principal lição. Nossa tarefa no plano físico é aprender. Aprender no sentido mais amplo, mais ilimitado: aprender a amar. Amar os outros e a nós mesmos. Esse é o conhecimento que nos torna divinos.

Você é maior que seu corpo, maior do que sua mente. Você é maravilhoso ser de luz e amor, imortal e eterno. Você é maior do que seus medos, do que sua ansiedade, seus rancores e preocupações. Você é maior até mesmo do que o seu sofrimento. Você está sempre rodeado de amor, um amor que pode protegê-lo e confortá-lo. Que pode alimentá-lo e lhe oferecer realizações. E você pode visualizar o amor que o circunda. Pode reencontrá-lo nas profundezas do seu próprio eu, na sua imensidão interior, de onde você conseguirá sempre olhar o mundo e sentir-se capaz de torná-lo um lugar mais feliz para você e para os demais… Fixe sua mente na luz, apenas luz. Sinta-a como uma benção. Ela é de fato, uma benção. E pertence a você. Vem de você e é destinada a você, desde o início dos tempos. Dentro de você há um magnífico universo à sua espera.”

Autoria: Dr. Brian Weiss

Saber perder e saber ganhar...

 
 
 
 
 
O mar é grande, imenso e poderoso porque teve a humildade de se colocar alguns centímetros abaixo de todos os rios do mundo. Sabendo receber, tornou-se grande. É impossível vivermos felizes se não aceitarmos a perda, a queda e os erros, porque a vida é uma pedra de amolar; desgasta-nos ou afia-nos, conforme o metal de que somos feitos. É preciso aprender que os revezes são componentes integrantes da existência, não sendo, portanto, possível ganhar, sem saber perder e acertar, sem saber errar. Felizes são os homens que conseguem receber, com naturalidade, o ganho e a perda, o acerto e o erro, o triunfo e a queda. São como diamantes que, para cada novo golpe, criam uma nova face, límpida e cristalina. Para ser feliz até certo ponto é preciso ter perdido até esse mesmo ponto. As perdas têm o poder milagroso de dar o devido valor a cada conquista. Certamente que causam dor, mas a dor possui um grande poder educativo: faz-nos melhores e mais misericordiosos, mais capazes de nos recolhermos em nós mesmos. Afinal, milho de pipoca que não passa pelo fogo, continuará sendo milho para sempre.

 
Autoria: Legrand

quarta-feira, 6 de abril de 2011

Sê feliz...

 As vezes acho que a infância nunca saiu de mim.
:D’
 
 
 
Quando sentires teu ser em profunda angústia e confusão,
procura dar tempo a ti e silencia, respira suavemente e deixa que a luz
que ilumina teu ser tome a direção, pois ela saberá proceder
em prol da tua paz, do teu equilíbrio, da tua confiança, mostrando
gentilmente que dentro de ti há rios e cachoeiras ainda desconhecidos,
pelos quais precisas percorrer para banhares teu espírito,
renovando tuas energias, teus ares internos.
Há ainda vales e montanhas para caminhares
e sentires o frescor da natureza, a liberdade dos pássaros.
Há céus para contemplares em puro silêncio, há cores para colorir,
há energias para dar realidade ao teu desejo de crescer,
de sentir a inocência e a pureza do amor.
Dentro de ti há flores que nunca sentiste o perfume,
há luzes, há estrelas azuis...
Aprende a dar-te paz apenas permitindo-te
um momento de silêncio, um momento em que manifestarás
a real necessidade de ires ao encontro da paz divina,
da paz que Deus criou para ti.
Resgata-a, pois, e sê feliz!

Autoria: Meire Michelin

Aprendizagens...




De uma forma positiva, aprendi que não importa o que aconteça
ou quão ruim pareça o dia de hoje, a vida continua 
e amanhã poderá ser bem melhor.
Aprendi que não importa o tipo de relacionamento que se tenha
com seus pais, você sentirá falta deles quando um dia partirem.
Aprendi que «saber ganhar» a vida, às vezes não é
a mesma coisa de «saber viver».
Aprendi que a vida, às vezes, nos dá uma segunda chance preciosa.
Aprendi que se procurar a felicidade somente para você, vai se iludir em breve.
Mas, se focar a atenção na família, nos amigos, nas necessidades dos outros,
no trabalho e procurar fazer o melhor de si,
a felicidade com certeza, vai encontrá-lo.
Aprendi que sempre que decido algo com a mente 
e o coração aberto, geralmente acerto.
Aprendi que diariamente preciso alcançar e tocar alguém.
As pessoas gostam de um toque humano, de segurar a mão,
de receber um abraço afetuoso ou simplesmente de um tapinha nas costas.
Aprendi que ainda tenho muito, mais muito que aprender.
As pessoas esquecerão do que falastes.
Esquecerão de quase tudo o que fizestes.
Mas nunca esquecerão de como você as tratou.

(A.D.)

Tens aprendido nas quedas também?




Naquele dia tomei um tombo... E aprendi.
E assim, naquele dia que parecia como outro qualquer,
 meu mundo tornou-se cinzento.
E assim, naquele dia que parecia como outro qualquer,
decidi que o meu maior triunfo seria sobre mim mesmo.
Aprendi que as quedas são estímulos para que aprendamos
a levantar, com dignidade e com coragem.
Aprendi que para olhar o mundo, é preciso estar no chão.
Eu só o conhecia do alto da minha arrogância.
Descobri que nunca tinha questionado se minhas ambições incluíam a ética.
Aprendi que nada nos acontece por acaso.
Sempre há um “para que”.
Descobri que as caras feias que eu estava vendo,
nada mais eram que meus reflexos em milhares de espelho.
Naquele dia descobri que meus rivais e meus desafetos
eram apenas ameaças à minha insegurança.
As sombras que me seguiam
nada mais eram do que o reflexo negro da minha alma.
Descobri que carregava em mim um Ego muito maior que eu.
Naquele dia, descobri que eu não era
o melhor e que talvez eu nunca tenha sido.
Descobri que as minhas ambições eram fruto da minha enorme onipotência.
Naquele dia, deixei de ser um propagandista dos meus triunfos passados
e passei a ser a minha luz do presente.
Aprendi também que de nada serve ser luz
se não posso iluminar o caminho dos demais.
Naquele dia, deixei de ser o comercial do meu pseudo-conhecimento
e passei a aprender um pouco mais.
Aprendi também que de nada serve saber
se não posso compartilhar e legar o conhecimento.
Que para multiplicar o pão de cada dia, é preciso dividi-lo.
Aprendi que o difícil não é chegar lá em cima, e sim continuar a subida.
Aprendi que a vitória duradoura não vem de sopetão.
Ela é conquistada por etapas. Eu subi rápido demais, alto demais!
Vi que na luta pelos meus objetivos, o melhor é lutar.
E que são os caminhos sofridos que nos amadurecem e domam.
Aprendi que posso fazer qualquer coisa e arcar com a responsabilidade das quedas.
Deixei de me importar com quem ganha ou perde,
e me importar simplesmente com quem faz.
Decidi ver cada problema como uma oportunidade para aprender a achar soluções.
Decidi não esperar as oportunidades e sim, eu mesmo buscá-las.
Decidi ver cada dia como uma nova oportunidade de recomeçar.
Decidi ver cada noite como um mistério a resolver.
Decidi ver cada deserto como uma possibilidade de encontrar um oásis.
Aprendi que as palmeiras altas e eretas, nos dão uma lição
de dignidade e postura, diante das intempéries da vida.
Aprendi que o melhor triunfo que posso ter,
é ter o direito de chamar alguém de "amigo".
Descobri que o amor é mais que um simples estado enamorado,
"o amor é uma decisão de vida.
Vi que não estava protegendo aqueles que eu amo.
Quando o bem é precioso demais, todo zelo é pouco.
E que eu não sou o bem mais precioso!
Aprendi que a compaixão não é sentimentalismo e sim humanidade.
Naquele dia, aprendi que os sonhos existem para fazer a realidade.
Aprendi que a imagem do inatingível é o que nos aciona para que o busquemos.
Tudo para mim foi atingível!
E desde aquele dia já não durmo para descansar simplesmente... 
durmo para sonhar! E desde aquele dia já não batalho para triunfar 
e sim para lutar no combate.
E desde aquele dia já não vivo mais para ganhar e sim para viver.
Para cair...
Para levantar...
Para continuar...
Para chorar...
Para perdoar...
Para respeitar...
Para amar...
Para aprender e para decidir sobre quem eu quero ser.

Autoria: José Azevedo Soares