quarta-feira, 9 de maio de 2012

Pessoas felizes consigo mesmas atraem bons relacionamentos...




Ao longo destes anos trabalhando em consultório com atendimentos em terapia, venho percebendo os grandes conflitos existentes em torno dos relacionamentos, então resolvi começar a estudar mais sobre o assunto e, a partir daí, surgiu a idéia de um workshop. Num outro momento,  falei sobre os relacionamentos e vínculos cármicos do passado, mas agora não posso deixar de abordar esta questão, ou seja, quando a pessoa quer o parceiro ideal, profissão ideal, casa ideal, automóvel ideal, situação econômico-financeira ideal, ela precisa fazer algo para estas coisas se tornarem possíveis.

É muito normal querermos uma vida ideal e tudo aquilo que a qualifica mas, na grande maioria das vezes, não paramos para refletir do porquê ainda não termos esta situação. Você, leitora, é a pessoa ideal? O quanto você se dedica para se tornar boa o suficiente a ponto de atrair as melhores situações para você? O que ocorre é que está faltando amor... amor ao próximo... solidariedade e amor por si mesma... O amor é o alimento da alma, é o que dá força para alcançarmos nosso propósito na Terra. Quando estamos enamorados (por nós mesmos ou por outra pessoa), sentimos que não há nada que não possamos conseguir. Ficamos, de certa forma, fortes, com mentes e almas mais saudáveis.

Quando resolvi desenvolver este trabalho, num primeiro momento a idéia era de ajudar no processo de encontrar o(a) parceiro(a) ideal, em termos afetivos. Porém, com o desenrolar do trabalho, percebi que os resultados iam muito além daquilo que era proposto, ou seja, as pessoas começaram a trazer outras experiências bastante interessantes. Os resultados eram não só na questão afetiva, mas também nas questões materiais, pois estávamos trabalhando com a melhora do Ser e com a lei da atração. E quando estes dois itens se juntam, os resultados são fantásticos.

No processo de escolha das parcerias ideais existem oportunidades de aprender sobre si mesmo e sobre seu propósito de vida. A jornada para este encontro começa com o conhecimento, respeito e amor próprio.

Algo lá em cima está sempre nos ouvindo - Muitas vezes enviamos um pedido ao Universo e não entendemos porque continuamos recebendo o inverso, então, é neste momento que devemos parar, refletir e fazer um inventário a respeito de nossas verdadeiras crenças e convicções, pois certamente não estão em acordo com aquilo que realmente queremos. O Universo sempre ouve nossos pedidos. Quando pedimos ou fornecemos informações a Deus, sobre nossos sentimentos, recebemos uma resposta, em geral bem imediata. Alguém ou alguma coisa lá em cima está sempre nos ouvindo.

Através dos nossos pensamentos, puxamos para o nosso campo magnético aquilo que queremos ou pensamos que queremos. Dentro da aura de cada um existe um campo magnético que produz magnetismo de amor. Quando a pessoa se ama de verdade, esse magnetismo começa a irradiar um fluxo de energia especial, que se expande sobre todas as pessoas de seu convívio. Até mesmo alguém que você não conheça, quando se aproxima sente um calor ou um sentimento de amor, sente vontade de ficar a seu lado, de conversar, estreitar laços de amizades.

Precisamos, portanto, nos tornar pessoas sadias e viver em estado de amor, pois é através deste estado que iremos criar a energia de atração das parcerias ideais.
Neste processo, temos que necessariamente passar pelo quesito auto-estima. Ela começa ao nos olharmos no espelho e gostar do que vemos, não estou falando somente da beleza externa, que pode variar de pessoa para pessoa, mas da interna também. Aprender a aceitar-se como é, cuidar de si e desenvolver-se de forma a ser a melhor pessoa possível.

Quando não se tem auto-estima é difícil acreditar que é possível se ter tudo aquilo que gostaríamos, porque não acreditamos ser merecedores e, mais ainda, não achamos ser possível o Universo conspirar para atender nossos pedidos.

Auto-estima é o somatório de autoconfiança com o auto-respeito, é o sentimento de competência pessoal e o sentimento de valor pessoal. É o que reflete implicitamente a capacidade de lidar com os desafios da vida. Quanto maior nossa auto-estima, maior a alegria que teremos pelo simples fato de ser, de despertar pela manhã, de viver dentro dos nossos próprios corpos. São estas recompensas que a nossa autoconfiança e o nosso auto-respeito nos oferecem.

Autoria: Anelise Lopes

Nenhum comentário:

Postar um comentário