sexta-feira, 4 de maio de 2012

A mandala do despertar...




O que leva uma pessoa à vida espiritual?

" A meio caminho na estrada da vida eu despertei e me vi sozinho num bosque escuro." (Dante Alighieri)

A maioria dos relatos espirituais termina com a iluminação. Mas e que tal perguntar o que acontece depois? Como é a vida depois do êxtase ? Como viver a compreensão com coração pleno? O que aprendemos com um relato de despertar?

Todos nós temos problemas inerentes ao corpo, à personalidade, à família e à comunidade.

Enxergamos assim a nossa humanidade comum.

Entrar em contato com o sagrado é talvez a nossa mais profunda necessidade. O despertar nos chama de mil maneiras.

Existe uma atração pela totalidade, pela vida plena, mesmo quando já esquecemos.

Na tradição hindu costuma-se dizer que a criança no útero canta : " Que eu não esqueça quem sou." Mas que logo depois de nascer sua canção é : " Já esqueci ."

Todos sabemos que o coração precisa de amparo espiritual em momentos de dificuldades , parece impossivel que não haja uma corrente espiritual que, no momento certo, esteja esperando por cada um de nós.

Ao buscar pelo que está além da morte, precisamos da ajuda da prática ou do ritual a que nos entregamos. Enfrentar com firmesa o desconhecido, ir para onde a estrada nos levar, a despeito da escuridão e do medo no coração.

Aprender a morrer antes da morte; como a morte vai nos levar de qualquer forma, porque não morrer para o jeito antigo e ficar livre para viver? Buscamos descobrir o que é eterno... " Quem sou eu " é uma das questões espirituais mais importante da humanidade. Será que somos este corpo de carne e sangue? Será que a consciência é apenas um produto do sistema nervoso, dos pensamentos e dos sentimentos ? Será que somos apenas herança genética ou será que, em sua essência, nossa natureza é espiritual ? Será que somos uma criação da própia consciência, uma centelha do divino, um reflexo da mente universal ?

São essas as perguntas dos místicos e dos sábios.

Há uma consciência eterna além do nascimento e da morte ? Uma coisa é certa, morte e nascimento não são coisas distintas. A renovação vem atravéz da morte. Mas, assim como conhecemos a necessidade de amor, temos em nós a possibilidade do despertar.

O sábio em nós também pode ser despertado. Há vários pontos de entrada para a sabedoria eterna do coração, chamados de " portões do despertar ". Cada portão é uma entrada para nós mesmos, uma estrada para a verdade.

O Buda viu o que vêem os corações sábios: _ que a vida na Terra é bela mas dolorosa. Que nossas reações confusas ampliam essa dor fundamental, transformando-a num sofrimento ainda maior.

É preciso abrir os olhos e o coração, para o sofrimento do mundo para encontrar a liberdade e a paz. Cada um à sua maneira, todos nós como futuros budas, temos que examinar esta questão, qual é a verdade do sofrimento na vida humana e qual a causa desse sofrimento ?

Mas... " Todas as manhãs eu acordo dividido entre o desejo de salvar o mundo e a inclinação a saborea-lo . " ( E.B. White)

Autoria: Jack Kornfield

Nenhum comentário:

Postar um comentário