sábado, 13 de agosto de 2011

Sem deixar escapá-la...

 
 
 
 
Quero sentí-la ao olhar o céu, ao andar pela rua, ao deitar e  ao acordar. No meu amanhecer abrir bem os olhos para em cada momento cheia de coragem poder tocá-la, abraçá-la e não deixá-la escapar quando floresço sem parecer ter fim. No meu entardecer, quando as horas parecem não passar, quando pedrinhas quiserem se alojar junto a ela em meu peito, sua chama quero manter acesa, mesmo que para isto tenha que as mãos juntar e perto dela colocar. E ao anoitecer quando há cansaço em mim quero sentir  a exatidão do que ela me deu no dia que passou. Do dia que amanheceu em meu peito e agora nele irá dormir. Poder fechar os olhos e sentir seu doce canto. Quero que em mim a Alegria faça casa e possa trazer sua família inteira: a bondade, o amor, a segurança e são tantos os parentes  que ao entrarem vou sentir o que cada um me acrescentará. Quero em mim a alegria de sentir, a alegria de abrir o coração sem medo de ser feliz.

Sua alma gostava era de doce, dos mais variados. Ela não sabia, mas era uma eterna criança que via beleza em tudo o que existia.

Autoria: Meire

Nenhum comentário:

Postar um comentário