quarta-feira, 30 de março de 2011

Imagem de pai...


 

Existe um homem que se esmera no cumprimento do dever para dar bom exemplo. Quando precisa chorar, o faz à distância, a fim de não ser visto, nem preocupar os que o cercam. Mesmo porque, por vezes, são eles mesmos a causa das suas lágrimas doloridas. Esse homem quase sempre é chamado de desatualizado, embora esteja sempre pronto para ofertar uma palavra orientadora ou relatar fatos felizes que podem ser imitados.

Poderia se exaltar muitas vezes, mas não o faz, preferindo a serenidade para melhor ensinar. Em certas oportunidades, passa noites maldormidas a pensar na melhor maneira de transmitir ensinamentos aos que são sua responsabilidade. Fisicamente passa distante o dia inteiro. O seu é o objetivo de um futuro melhor para os que tem sob a sua guarda. Mesmo extremamente cansado, arranja forças para distribuir confiança.

Humano e sensível tem capacidade de chegar às lágrimas de emoção ao perceber o triunfo daqueles que ama. Emociona-se e se orgulha dos feitos dos seus amados.

Quando retorna ao lar, ao final da jornada, distribui carinho, dá do seu tempo, mesmo que não receba na mesma intensidade. Sem cobranças. Sem exigências. Quando deixa de existir na Terra, toma dimensões imensuráveis e passa a ter um grande valor.

Falamos a respeito do melhor amigo, o pai. Normalmente, quando crianças, acreditamos que o pai é aquela criatura que tudo sabe. Ele é o maioral, tudo pode.

Quando aportamos à adolescência, nossa opinião se modifica e principiamos a cogitar de que nosso pai se engana em quase tudo o que diz.

Quando chegamos à juventude e enfrentamos o mercado de trabalho, acreditando-nos semideuses, o nosso conceito é de que nosso pai está bastante atrasado em suas teorias. Meio desatualizado, ultrapassado.

Mais alguns anos e a nossa é a certeza de que ele não sabe nada mesmo. Iludidos pelo sucesso aparente dizemos que, com a nossa experiência, nosso pai poderia se tornar um milionário.

Basta, contudo, que a madureza nos alcance para principiarmos a pensar um pouco diferente. Passamos à posição de que, talvez, ele pudesse nos aconselhar. Afinal, ele tinha ideias notáveis, nem sempre bem aproveitadas, é certo.

É a hora em que gostaríamos muito de ter nosso pai ao lado para nos falar da sua sabedoria. É o momento que lamentamos, muitos de nós, que ele já não esteja na Terra e lastimamos a sua ausência física.

* * *

Quase sempre passamos a apreciar o valor das coisas e dos conceitos de tudo quanto nos cerca, na medida dos conhecimentos e valores que tenhamos já sedimentado no íntimo.

Não há dúvida de que nos pouparemos de muitos dissabores e riscos se soubermos dar mais atenção ao que nos dizem as pessoas mais experientes.

Será bastante inteligente de nossa parte se soubermos nos servir daqueles que já passaram pelos caminhos que pretendemos trilhar. E, em se tratando dos pais, uma certeza a mais podemos guardar: a de que são nossos melhores amigos.


Autoria: Redação do Momento Espírita

Nenhum comentário:

Postar um comentário