sábado, 28 de abril de 2012

Parábola da Felicidade...



    Após uma caminhada exaustiva pelo campo,
    os quatro amigos sentaram à beira do caminho,
    embaixo da sombra da velha jaqueira.
    Era ela a única árvore numa plantação de melancias.
    Era como se representasse, com dignidade a espécie da
    árvores, num planeta onde os alguns humanos não
    importam em destruí-las em nome de um
    progresso duvidoso.
    Aquele era o local preferido dos rapazes:
    jacas e melancias à vontade!
    Aquele dia era especial:
    terminaram o curso e, provavelmente, seria a última
    vez que caminhariam juntos.
    Embora nem admitissem, estavam conscientes do momento
    e não perceberam o estranho brilho pairando sobre
    a copa da jaqueira.
    Não fiquem tristes, nós nos veremos novamente....

    Os amigos se entreolharam, espantados.
    - Quem disse isso?
    - perguntou Eduardo, intrigado.
    A voz era suave e nem parecida com nenhum deles.
    - Ouvi - confirmou Pedro.
    - Parece que veio lá de cima.
    - Também escutei - disse Silas.
    - Estranho. - comentou Antônio.
    - Acho que pegamos sol demais pelo caminho.
    - Ei! - exclamou Silas.
    - Vocês estão notando uma luz estranha no alto da árvore?
    Todos olharam para cima.
    - É verdade. Vai ver é um disco voador!

    Escutaram a voz novamente:
    Não é brincadeira!
    Eu posso atender um pedido de cada um
    de vocês para que sejam felizes....

    O susto foi grande.
    Uma árvore falante!
    Árvores não falam! Ou falam?

    O conhecimento científico, impõe-se de maneira
    preponderante, de tal forma que acabamos por crer
    apenas no que conseguimos pesar, medir, reduzir,
    ao mesmo tempo que passamos a recusar tudo o que
    não se enquadre nesses experimentos científicos.

    - Vo... você é um tipo de árvore da felicidade?
    - perguntou Antônio.
    Não importa agora.
    Façam logo seus pedidos...

    - Quero ser o homem mais rico do mundo
    - falou Antonio, superando os instantes de incredulidade.
    - Ninguém consegue ser feliz sem dinheiro.

    Silas pediu:
    - Quero ser o homem mais amado do mundo,
    já que dinheiro não traz felicidade.
    Eduardo falou:
    - Eu quero ser muito inteligente! E também jovem!
    Mocidade e inteligência são, sem dúvida, as maiores felicidades.
    Pedro pediu:
    - Eu quero ser o homem mais famoso, com glória.
    E todos riram.

    Rapidamente a copa da jaqueira mudou de cor,
    soltou estranho zunido e, por fim, subiu velozmente para o céu,
    deixando um rastro luminoso e os quatro amigos boquiabertos.

    O TEMPO PASSOU.....

    Cada um seguiu seu caminho.
    Conforme pediram, seus desejos foram realizados,
    embora não tivessem conseguido a tão ansiada felicidade.....

    Antônio tornou-se o homem mais rico,
    graças a uma estranha sorte no mundo dos negócios.
    Acumulara fortuna, mas a riqueza só lhe trouxe problemas.
    Nunca tinha certeza se as pessoas que conviviam ao seu redor
    estavam interessadas nele ou na sua fortuna, e por isso ia se
    tornando taciturno, entediado, egoísta, isolando-se de todos.
    Só saía protegido por guarda-costas, por medo de seqüestros.

    Silas, por sua vez, era muito amado.
    Ainda que fizesse as piores maldades,
    seus fanáticos admiradores sorriam para ele e lhe adoravam.
    Mas sentia-se muito só.
    Não fazia diferença como tratava as pessoas:
    o resultado era o mesmo.
    Tinha muitas mulheres, mas não amava nenhuma.
    O amor das pessoas, sem que fizesse nada para conquistá-lo,
    tornou-o cruel e perverso.
    Sentia prazer em maltratar as pessoas.

    Eduardo permanecia jovem e inteligente.
    Era requisitado para palestras pelo mundo todo.
    Governantes solicitavam sua sabedoria.
    Mas era infeliz e solitário.
    Era alvo constante da inveja das pessoas.
    Coisas simples como sair à rua ou ter amigos,
    era impossível agora.
    Vivia recluso, por evitar os jornalistas e a milhares
    de convites para apresentações em público.

    Antonio, Silas e Pedro viam a morte como libertadora de tanta
    infelicidade e frustração.
    Para Eduardo, sempre jovem,
    pensava ele mesmo dar fim a sua vida infeliz.

    1990....1996.....2000....2003....2008...2011...

    Embora nunca mais tivesem se encontrado depois daquele dia,
    os quatro mantinham o hábito de olhar o céu em noites
    estreladas, à procura de um estranho brilho esverdeado.

    Um dia, os quatro largaram tudo e fugiram.
    Viram-se novamente no local da velha jaqueira.
    - Fomos enganados.
    Mas o que podemos fazer agora?
    E choraram, abraçados um ao outro.

    Foram vocês que escolheram assim!
    - A voz! Maldita! Maldita!
    Você nos enganou com sua conversa de felicidade!
    - esbravejou Pedro.

    Vocês se enganaram.
    Todos sempre se enganam, quando acham que para ser feliz
    é preciso alguma condição como dinheiro, inteligência,
    mocidade, amor ou glória....

    - Pelo amor de Deus!
    Filosofia barata não!
    Já estou farto de conselhos - falou Antônio.
    - Você prometeu felicidade, mas hoje, olhe para nós:
    somos os homens mais infelizes do mundo!

    Vocês quiseram ser felizes.
    Fizeram seus pedidos e foram atendidos.
    Mas esqueceram que a
    FELICIDADE NÃO PODE SER POSSUÍDA...
    TEM QUE SER CONQUISTADA,...
    ASSIM COMO O AMOR E A LIBERDADE.

    Cada pessoa sobre a Terra é um ser único e imprevisível.
    Não existem fórmulas ou soluções que sirvam para todos.
    Cada um precisa escolher o seu próprio caminho
    e o seu jeito de caminhar!

    Vocês terão uma nova oportunidade...

    - E como será essa nova oportunidade? - perguntou Pedro.

    Mas não ouviram resposta.
    De novo o rastro prateado confundiu-se com o brilho das estrelas.

    - Já é noite! - surpreendeu-se Silas. - Mas como?
    Será que cochilamos os quatro ao mesmo tempo?

    Eram novamente jovens, ainda cansados pela caminhada,
    a última que faziam como internos do colégio.
    - Engraçado... aconteceu alguma coisa que não consigo me lembrar...
    - disse Antônio.

    Os quatro levantaram-se e já iam pôr-se a caminho,
    quando Antônio percebeu um pedaço de papel esverdeado
    pregado na jaqueira.
    - Um bilhete! E é para nós! - verificou Silas.

    Ninguém sabia quem tinha deixado aquilo.

    AMIGOS QUERIDOS:

    Ninguém precisa de riqueza, poder, fama, mocidade,
    inteligência, ou qualquer outra coisa para ser feliz.
    A felicidade não pode ser comprada.
    Ela é fruto de nosso compromisso com a paz, a justiça,
    a alegria, o equilíbrio entre os seres do planeta,
    pois não é só a nossa felicidade que importa,
    mas a dos que virão depois de nós e de nossos filhos.
    Ser feliz é isso:
    aproveitar intensamente este presente cotidiano
    - A VIDA - vivê-la plenamente e permitir que os outros
    também façam o mesmo.
    Afinal, vivemos um dia de cada vez e quem deixa seu
    tempo presente preocupado com o que ainda não aconteceu
    ou angustiado pelo que já passou, perde a oportunidade
    de ser feliz AQUI E AGORA e, um dia, sem que se saiba
    quando, será tarde para voltar atrás.

    No caminho de volta, entre milhares de estrelas,
    havia agora um brilho esverdeado, cuja luz parecia ter
    compartilhado daquele estranho acontecimento....

    Autoria: Vilmar Berna

Nenhum comentário:

Postar um comentário