segunda-feira, 30 de abril de 2012

Desencarnação...



A existência terrena é delimitada por dois extremos: O nascimento e a morte. O primeiro corresponde à chegada do Espírito no plano físico. Os homens preocupam-se muito com esse instante. Enxovais são preparados, quartos são arrumados, as famílias se engalanam para receber seus novos membros.

Isso é bom e correto, pois o ressurgimento na esfera carnal constitui uma bendita oportunidade de trabalho e progresso para aquele que nasce e para a família que o recebe. Em geral, não se trata exatamente de um novo membro, mas de um antigo e querido companheiro de lutas que retorna. Já o que se chama morte é o retorno do Espírito ao seu ambiente de origem. Todo homem é um Espírito que habita temporariamente um corpo. O organismo físico se desgasta, envelhece, adoece e morre. Mas o Espírito vive e evolui para sempre.

A verdadeira pátria corresponde ao plano espiritual. Toda existência terrena é eminentemente transitória. Estranhamente, ao contrário do que se dá com o nascimento, em regra há pouco preparo para o fenômeno da morte, ou desencarnação, como chamamos.

Esse tema é envolto em tabus e fantasias, como se não fosse algo natural. E constitui um fato inexorável. Toda criatura, mais cedo ou mais tarde, verá seu corpo físico perecer. Não há providência possível contra isso. Por ser um fenômeno natural, deve ser tratado com naturalidade e calma.

Como todos morrerão um dia, nenhuma separação é definitiva. O ente querido que morre apenas retorna antes ao verdadeiro lar. Embora se trate de algo natural, isso não implica negar a sua gravidade. Ao nascer, o Espírito traz uma programação de vida, voltada ao seu progresso e burilamento. Ao término da existência, ele faz um balanço de seu comportamento, de suas vitórias e fracassos. O momento do encontro com a própria consciência pode ser terrível ou maravilhoso. Tudo depende do comportamento adotado durante a existência terrena.

O corpo físico amortece enormemente as percepções e os sentimentos do Espírito. Após a desencarnação, tudo se torna muito mais vívido. A alegria de um Espírito pelo dever bem cumprido possui uma intensidade inimaginável para quem permanece vinculado à matéria. Mas também o remorso e a vergonha que experimenta por erros cometidos atingem proporções lancinantes.

A ingenuidade humana muitas vezes afirma que a pessoa descansa ou se liberta ao morrer. Mas é difícil avaliar o que significa esse pretenso descanso para quem se permitiu semear dores e misérias na vida alheia. Do mesmo modo, quem gastou o tempo enredando-se em vícios e maldades não experimenta qualquer libertação ao término da existência.

Quem morre não vai para o céu e nem para o inferno. O céu e o inferno são estados de consciência, que cada qual cria para si com o próprio proceder. A cada um conforme as suas obras, disse o Mestre Divino. A lição é cristalina e não permite enganos. O fenômeno da morte é natural, mas muito grave. Ele constitui um momento de balanço, de aferição de méritos ou deméritos.

Assim, importa tratar do tema com serenidade e maturidade. Não há qualquer milagre ou favor envolvido. Para passar com tranquilidade por esse momento, importa viver reta e dignamente.

Pense nisso!


Autoria: Redação  Momento Espírita

Nenhum comentário:

Postar um comentário