sábado, 25 de maio de 2013

Manual de sobrevivência...



A vida, volta e meia, te parecerá absurda, um non-sense qualquer, filme de Almodóvar ou obra de Stravinsky. E nessas horas, segurará firme no leme que te levará ao fim do túnel, sempre guiada por uma luz. Porque é proibido desistir, minha pequena, é proibido parar no meio do caminho.

Te aparecerão pelo caminho, muitas formas de maldade. Lobos em pele de cordeiro, que além de roubar teu equilíbrio, tentarão roubar-te também a alma. Cuidado com as gentes que te cercam, nem tudo que parece ser, é de verdade. Não caia na tolice de confiar teu coração a qualquer um, põe teu coração numa redoma de vidro e poupe-se, feito diria Clarice.

Contra a maldade, vista teu melhor sorriso. A alegria é antídoto infalível para esse tipo de coisa, mas cuidado: não espalhe isso aos quatro ventos, alegria exagerada traz pra perto mau olhado. Previna-te com medalhas de São Jorge, pai-nossos e ave-marias, acenda velas brancas para o teu anjo da guarda. Fé é o que cabe nessas horas.

O mais, você tira de letra. Pra quem nasceu tecelã imprevisível, fazendo das linhas tortas um bordado de amores, driblando o medo do escuro, compondo músicas de ninar pra adormecer bobagens, conseguirá ir além. Além de toda maldade, preservando a bondade e a alma que tem. Não te deixando levar pelos mal-intecionados, nem por abismos, nem por pessoas escuras que plantam pedras e esmagam flores.

Esvazie os bolsos, pequena, e saiba viver de coisas mais simples. Carregue com você o que te é essencial e, dentre elas, não pode, nunca, faltar: um carinho bom, um riso gostoso, aperto de mão, abraço amigo, palavras que salvam, amor verdadeiro, perdão que alivia e todo tipo de gente levinha.

Carregue teu coração como estandarte, deixando que ele te fale cem vezes ao dia. Só não te esqueça que, muitas vezes, o cerébro também terá que governar e tomar decisões que o coração não saberia sozinho. Esquecer é uma delas. Esquecer o que nos fez mal, o que nos desagrada, o que nos fere e o que nos pesa o humor. Esqueça, pequena, para ter uma vida leve e o coração fresquinho.

Também não te esqueça de carregar tua caixinha de humores. Sem humor a vida se torna insuportável, menina. Aprenda a rir de ti mesma, das tuas bobagens e daquilo que te tira do sério. Verá que as coisas ficam mais fáceis assim e tudo ganha andamento. Humor leve para uma manhã clarinha, humor homeopático para uma tarde monótona, presa num trânsito ou numa fila de banco, humor desregrado, logo à noitinha, cheia de gargalhadas dentro. Humor também salva. E alivia.

Às vezes, a depressão baterá à tua porta, mas não permita que ela entre, uma vez instalada, ficará difícil expulsá-la só com a força do corpo. Ao ver o enterro de tua última quimera, esgotada todas tuas forças e teu poder de sonhos, ela rondará tua casa, como uma pantera à espera de sua presa. Não a alimente com maus pensamentos, com desacreditanças nem falta de fé. Arriba-te conversando com um bom amigo, ouvindo músicas que gosta, frequentando lugares que te alegram, convivendo com gente que te põe pra cima e além.

Não é pra jamais te conformar com aquilo que os outros te impõe. Não tenha medo de lutar por aquilo que quer. A luta já é um meio caminho andado para a vitória. E em tempo algum, acredite naquele que diz que você não é capaz ou que algo é impossível. Acredite nos outros, mas confie mais em você.

Ao longo dos anos, perceberá que algumas pessoas te abandonaram, que os amigos de infância, nem todos, te foram amigos quando precisou. Perceberá que alguns sonhos se desfacelaram pelo caminho, que perdeu alguns entes queridos, muitos amigos para as drogas e outros tantos para o descontentamento, tornando-se pessoas amargas, cheias de vícios e futilidades. Caberá a você guardar no baú da lembrança, somente as lembranças boas, aquelas que não te impedem de seguir,que não aterrorizam, mas que te põe vontades maiores que antes.

A vida, minha pequena, é esta. E o teu caminho é um sol. Basta acreditar. Se acredita que é, fica sendo. Agora vai, e leva na algibeira da alma milhares de coisas boas que te fortalecerão no caminho. Dentro, só as coisas bonitas. Sol-risos, Só-rir.

Autoria: Cris Carvalho

Nenhum comentário:

Postar um comentário