quarta-feira, 17 de agosto de 2011

O que nos leva a falar mal dos outros...





Esta é uma prática absolutamente comum entre todos nós. Alguns em maior grau, outros em menor, mas todos falam mal dos outros. Os que falam pouco recriminam os que falam muito.

Nas rodas de conversa com os amigos, em família, sempre há fofoca e comentários "maldosos". As vezes o fato é verdadeiro, e a pessoa de quem se fala tem realmente característica negativas (mas quem não as tem?), mas a questão não é essa. A questão é: Porque será que as pessoas fazem isso, sentem vontade de falar mais dos defeitos do que das qualidades? Porque será que isso é tão comum? Chego a dizer que é quase irresistível para a maioria das pessoas.

Difícil é a gente ver uma roda de conversa onde predomine o elogio, e pessoas falando bem dos outros e se esquecendo de falar dos defeitos. Não seria interessante esse comportamento? Não falar dos defeitos e somente falar das qualidades dos outros? Podíamos escolher pessoas com muitas virtudes e gastar muito tempo falando bem delas. Mas isso não tem graça, a conversa não fica interessante. Causa até mal estar nos outros. Geralmente, quando alguém faz um comentário de elogio, outra pessoa (ou a mesma pessoa que fez o elogio) fala logo em seguida "Fulano faz isso de bom mas também tem esse outro lado assim, e assim..."

Isto tem a ver com a forma como nós nos sentimos. Quando mais nos sentimos bem a nosso respeito, menos teremos vontade de apontar os defeitos alheios. Quanto mais insatisfeitos, mais teremos esta tendência. E isto ocorre por um fato muito simples. Ao falar mal de alguém, temos uma sensação falsa de que somos melhores. Dá um sentimento temporário de superioridade. É uma necessidade de nos elevarmos, e isto é feito através do rebaixamento dos outros.

Quando sentimos vontade de falar mal de alguém, temos um momento ideal para a auto observação e analise dos sentimos. Pode ser que os defeitos do outro nos incomodem, mas pode ser também que sejam as qualidades da outra pessoa que nos causam ciúme, inveja, raiva. Em qualquer um dos casos, o importante é reconhecer que existe algo de negativo em nós que veio a tona.

Estes momentos são ideais para fazer rodadas de auto aplicação da *EFT - Emotional Freedom Techinques . A técnica é bem simples, e tem uma ação muito rápida. Normalmente conseguimos eliminar o sentimento que nos leva a falar mal da pessoa em poucos minutos, o que irá mudar nosso comportamento naturalmente.

Pense bem agora em uma pessoa que você tem vontade de falar mal. È preciso avaliar: Estou com raiva? Com inveja? Me sinto incomodado? Me sinto ameaçado (na vida profissional, na vida afetiva )? Preciso me elevar? Qualquer que seja a resposta é um sentimento interior, negativo, e que pode e deve ser eliminado. E devo dizer que para isso, não conheço ferramenta mais fácil e rápida do que a EFT. Identificar o sentimento negativo é a parte mais difícil, depois que isto é feito, a técnica pode ser aplicada com facilidade.

Com a aplicação regular da EFT, o que acontecerá é que ficaremos cada vez mais tranqüilos, seguros, confiantes, e isto irá se refletir no nosso comportamento. A ansiedade diminui e a vontade de comentar coisas negativas também. O elogio a terceiros passará também a não nos incomodar, e será motivo até de alegria. Você passará até a ver mais as qualidades da pessoa de quem antes só via defeitos, e vai passar a compreender melhor os defeitos alheios com menos julgamento.

Isto é um exercício diário que poderia ser feito a vida inteira. Utilizando a EFT ocorrerão progressos incrivelmente mais rápidos do que quando usamos somente a reflexão. A reflexão é boa para identificarmos os sentimentos negativos, e a EFT é a ferramenta para eliminá-los. Mudar os sentimentos simplesmente através do esforço consciente também produz resultados, porém de forma muito lenta e gradual, levando-se meses ou anos para se obter uma diferença significativa.


Autoria:  André Lima

Nenhum comentário:

Postar um comentário