quarta-feira, 17 de agosto de 2011

O amor é assim...





Oh grande Lua mãe desta terra eu vos invoco!
Pelas ruas vazias e becos percorro o caminho até sua janela oculta
Ouço no percurso uma tempestade chegar

O amor é assim... uma chuva de mistérios 
e preciosidades sobre meus pés e corpo...

Não vê que sou esta fonte só para ti?
Uma rosa toda aberta a ti Lua e dizendo beija-me


Desde que te reconheci em mim estas ruas não são mais meros percursos 
como poderia se agora cada passo neste caminho 
me leva até seu cheiro e calor… Ruas… como poderia chamar 
esta me sustenta e me ensina o caminho até você de ruas…
Vamos esperar o sussurro que vai dizer o nome que ainda não foi dado... este!!!

Ahhhh este amor alucinante que me envolveu e que me confundo
Não sei mais quem sou….
Seria eu este mesmo amor que derrama agora?! Ahhh

Meus lábios há tempos não saborreiam nada de valor 
mas quando em contato com a face do Senhor subitamente retornam a vida.

O tempo não pode nos barrar e para aquele que entregou sua vida ao amor a espera é calmaria e mesmo que a lua se vá este amor permanece sendo uma lamparina em meu coração.

Ontem este que morto estava brilhou e se alegrou tanto com sua chegada que me deixou enfim ser cores para enxergar tudo do alto junto das águias do céu infinito deste amor

Maravilhado estou e giro…
Giro dentro de uma roda que desfaz toda tristeza e dor

Olhos que antes adormecidos pras divinas belezas que nele não penetravam, profundidade estas que me são raras mas quando eles te vêm chegar eles dizem: Corre agora, vá !!!.

Corro calmo como o rio cujo fim já toca a infinitude de seu oceano

E me deparo enfim com a vida que pulsa em nós.

Vamos juntos olhar para o AGORA e fazer dele espelho 
e se não vermos ali a vastidão então olhamos pro samsara que não somos
Da separação que não sou

Quando estamos longe tento descrever 
este amor mas quando de mãos dadas com ele 
sou mudo e estou em chamas.

Não aprendi sobre o amor pois pra isso basta tocar a face do amado 
e tudo que preciso saber me é revelado.

Minha loucura é tal que me fiz passar por abelha pra ser mel
Tive também que ser escuro lago pra ser o lotus enfim
E tive que beber dos venenos deste mundo pra então provar do néctar imortal

Para enfim fazer morada em meu coração e ver mil mares de lágrimas secarem e cem desertos de solidão serem inundados pelo amado.

Louco poeta que só se enxerga em toda parte
E que tudo que toca vê ali sua própria pele e unidade
E que chora um centena de mundos

Vou até ti

Não espero…

Quem poderia imaginar este céu e esta morada
Sou apenas um amante navegando pelo Oceano da unidade a bordo do amor.
Uma pérola esperando somente seu mergulho pra brilhar
E se eu ousasse declarar o valor desta jóia
Seriámos consumidos nela tu e eu
E por isso canto…

Nada resta aqui senão tu

Todo o resto partiu

Saudações eternas para aquele que me tornou enfim seu

O amor!!!

Ahh como estive esperando por ti!!!!!
Doce e profundo mistério que me faz vagar sem rumo neste paraíso
Sou agora como aquele que se tornou poesia e canção
Tudo graças a ti
Oh doce Lua que me invadiu agora
Sou um mero Sufi rendido
Um escultor, que da pedra retira um Buda
E da terra “flor”

Autoria: Jalaluddin Rumi

Nenhum comentário:

Postar um comentário