segunda-feira, 21 de março de 2011

Sonata de Outono...


 


"E o Outono vai-se instalando. A princípio nem parece uma estação. É quase um estado de alma, este tempo assim um pouco vago, em declive delicado, com a chuva ainda rala (mesmo se em alguns dias chega por aí aos tropeções) e o vento que parece um miúdo a aprender a assobiar. Olhamos com íntima estranheza para a brevidade destes primeiros dias, dos quais já não nos lembrávamos. Nas árvores, as folhas tremeluzem, indecisas e iluminadas, transmutadas em incríveis tonalidades. Os frutos têm perfume e sabores densos, tão diferentes daqueles que se saboreiam no verão.

Lembro-me de um poema de Miguel Torga, que gosto de pôr a tocar 
como uma pequena sonata de Outono:
“O que é bonito neste mundo e anima, é ver que na vindima de cada 
sonho fica a cepa a sonhar outra aventura…
E que a doçura que se não prova se transfigura numa doçura muito
mais pura e muito mais nova…”

Neste arranque de Outono, deixo-me demorar nas palavras: “a doçura que se não prova”. Tendo o privilégio de acompanhar a vida de muitas pessoas, sei que esta não é uma questão que se possa iludir. Há um momento na nossa vida, ou há momentos nela, em que fazendo um balanço, sentimos que ficamos aquém dos nossos próprios sonhos. Há dias e estações da nossa vida em que nos sentimos mendigos de nós mesmos. Esperávamos isto e aquilo que não aconteceu.

Desejávamos uma plenitude, uma fulgurância, um clarão e o que temos é uma estreita e baça normalidade. Sentimo-nos, sem saber bem como, a viver sob tetos baixos. Há uma espécie de doçura prometida que nos escapa, que fica adiada, que começamos talvez a julgar que já não será para nós, tão inacessível nos assoma. Por vezes, este sentimento vem aos 70 ou aos 40 anos. Mas também surge aos 20 ou aos 30. Recordo aquela frase terrivelmente verdadeira de um romance autobiográfico de Marguerite Duras: «Muito cedo na minha vida foi tarde demais». Esta difusa melancolia, este sentir que a luz que interiormente nos alumia, se tornou fosca e sem alcance. São experiências muito alargadas. Por isso se diz que não dependem propriamente da idade os Outonos interiores que atravessamos.

Existem modos diferentes de encarar essa experiência que, no fundo, nos é tão intrínseca e comum. Podemos desistir simplesmente de esperar e largamos a vida no parque de estacionamento do pragmatismo mais raso. Podemos trocar a doçura que não conseguimos, por um tipo de acidez quotidiana, uma desconfiança sistemática a que nada nem ninguém escapam, e que se vai espalhando, entre a ironia e o desalento, contaminando tudo. Ou podemos, e esse é o olhar mais necessário, perceber que «a doçura que se não prova/se transfigura numa doçura/muito mais pura/e muito mais nova».

O outono não é, portanto, o fim da história. Se o soubermos agarrar, é sim um ponto de partida avançado, que nos permite essa coisa urgente que é a “transfiguração” da vida, através de um paciente e esperançoso trabalho interior."

Autoria: José Tolentino Mendonça

Nenhum comentário:

Postar um comentário