terça-feira, 15 de março de 2011

Simplicidades...



Simplicidades quando se mostram cansadas, no fundo,  só estão lhe esperando adormecer. Algumas coisas por mais amanhecidas que pareçam, só são eternizadas no acordar das noites, enquanto distraímos os sonhos e bebemos estrelas.

Hoje eu vi. Há pessoas que só caminham no sentido contrário e deixam à toa tantas verdades. Por elas, derramo o meu bom senso e deságuo noutras estradas. Mas no corar das vistas que enfeitam a caminhada, moram também as raras que espalham um querer tão manso nos lábios que nos devolvem a alma. E por essas sim, eu dissolvo muitos prantos no peito, carrego a distração no colo e dou um abraço apertado que vai arranhando o desânimo. Porque a vida às vezes também é aquela criança que mima dia e noite o coração da gente quando sai plantando fofurices em cada pedaço de tempo. Às vezes dói, mas é tão bonito ver o minuto não correr nesses dias de pouco riso.

Agora eu sei: alguns só sabem medir esforços, mas eu...
Ah! Eu só sei colecionar laços.


Autoria: Nuno de Sousa

Nenhum comentário:

Postar um comentário