sexta-feira, 18 de março de 2011

O tempo não para...

 
 
 
 
 
E, nesses tempos modernos, a mente também não.
Por fora, é muita correria e ansiedade; e, por dentro, pouca luz.
E nisso, o coração vai para o ralo...

E dá-lhe lambança! Na vida, no amor, e na qualidade da manifestação.
Oh, Senhor! Abençoe essa gente que corre tanto, até de si mesma.
Ilumine-as, para que elas se toquem do grande vazio que sequestrou seus corações.
Projete um Grande Amor em suas vidas, para que elas percebam a canção do Eterno. Ah, Papai do Céu! Tenha piedade dessa gente, que ressecou o próprio espírito. E que deixou suas asas espirituais atrofiarem nas ilusões das luzes do mundo. Essa gente, que anda com o olhar vazio, mesmo sendo centelhas do Eterno. Que desperdício! Descer para viver na Terra e se atolar tanto na ansiedade. Ah, tenha piedade dessa gente... Que, mesmo com estrelas nos olhos, ficou cega para a paz e a compreensão.

Essa gente que, mesmo falando de amor, ainda se perde em tantas lambanças...
E que sequer conhece a si mesma e, mesmo assim, ainda julga os outros.
Ah, se eu pudesse entrar em suas mentes, para dizer-lhes que viver não tem preço.

E que o amor é maior do que tudo. E que dá trabalho vencer a própria inércia.
E que só é feliz quem merece! Ah, Papai do Céu! Abençoe essa gente...
E lhes dê um Grande Amor. E aí, quem sabe, eles voltem a viver de verdade...
Para que a escuridão que sequestrou seus corações tenha fim, no centro da Luz.
Para que as escamas caiam de seus olhos e elas, enfim, despertem.


Autoria: Wagner Borges

Nenhum comentário:

Postar um comentário